Mais do que vencer, contra o Deportivo Lara, o Corinthians precisa nesta quinta-feira apresentar um bom futebol e, de preferência, com muitos gols. Só assim o técnico Fábio Carille e os jogadores terão um pouco de sossego antes do clássico com o São Paulo, domingo, pelo Campeonato Brasileiro.

O time alvinegro recebe a equipe venezuelana às 19h15 desta quinta, em sua arena, em Itaquera, no jogo de ida pela segunda fase da Copa Sul-Americana. O Deportivo Lara entrou na competição agora, depois de ter sido eliminado na fase de grupos da Copa Libertadores - a equipe estava na chave do Cruzeiro e perdeu os dois jogos para o time mineiro por 2 a 0. A partida de volta, por sinal, precisou ser adiada por duas vezes porque os venezuelanos não conseguiram voo ao Brasil devido à crise vivida em seu país.

O torcedor corintiano também guarda boas recordações do adversário. Em 17 de maio do ano passado, no primeiro encontro da história entre as equipes, o Corinthians venceu por 7 a 2, fora de casa, em partida que teve Jadson como protagonista com três gols. O jogo foi pela primeira fase da Libertadores. Na volta, o time de Carille venceu por 2 a 0. Na atual temporada o Corinthians não venceu nenhum adversário por mais de dois gols de diferença.

"Não tem nem como esquecer, né? Mas as circunstâncias agora são outras. Jogar um mata-mata é sempre complicado. Precisamos entrar focados e procurar fazer um grande jogo em casa para levar uma boa vantagem para a Venezuela", diz Jadson, que ainda não sabe se será titular nesta noite.

O meia disputa posição com Sornoza. Outra dúvida na escalação é a presença de Gustavo no ataque. O centroavante ficou no banco de reservas no último jogo após se recuperar de lesão e disputa vaga com Vagner Love. A única baixa será o zagueiro Manoel, que recebeu um pisão no pés esquerdo durante treino e foi vetado.