O Atlético entra nas suas dez partidas finais pela Série A do Campeonato Brasileiro buscando oito vitórias para tentar o título que conquistou apenas em 1971. E neste processo será fundamental uma participação maior dos dois homens que são usados como referência no ataque pelo técnico Jorge Sampaoli, os xarás Vargas e Sasha. E isso já diante do Atlético-GO, neste domingo, a partir das 18h15, no Mineirão, pela 30ª rodada.

Eduardo Vargas AtléticoTerceiro homem de área de Sampaoli neste Brasileirão, Eduardo Vargas ainda não conseguiu números em participações em gols superiores a Sasha ou marrony, seus reservas na função

Ambos chegaram à Cidade do Galo com o Brasileirão já em andamento, são apostas do treinador argentino, com quem já tinham trabalhado anteriormente, mas têm números baixos para atacantes, por mais que atuem improvisados na função.

Números

Primeiro a chegar, ainda no turno do Campeonato Brasileiro, contratado ao Santos, Eduardo Sasha tem seis gols e duas assistências em 25 partidas. São oito participações em gols. Na média, uma a cada três confrontos.

Vargas começou a defender o Atlético no início do returno. Já são seis jogos, com um gol e uma assistência. E a média é de uma participação em bola na rede a cada partida, exatamente a mesma do xará Sasha.

Além deles, a terceira opção alvinegra para homem de referência do ataque, embora nem sempre seja a função que o “9” do time de Jorge Sampaoli exerce, é Marrony.

Mas ele perdeu espaço no time e foi acionado apenas uma vez nas últimas quatro partidas, mesmo assim na reta final da derrota de 3 a 0 para o São Paulo, em 16 de dezembro do ano passado, no Morumbi.

Quase sempre reserva, ele começou apenas seis das 23 partidas que disputou neste Brasileirão. Tem quatro gols e uma assistência. A média é de uma participação em gol a cada 4,6 jogos.

Minutos

Quando se recorre a minutos, uma maneira mais justa de avaliar o desempenho de jogadores com participações tão diferentes, Marrony tem o melhor desempenho.
O ex-vascaíno jogou 723 minutos neste Brasileirão e precisou de 144 para participar de um lance de gol, dando a assistência ou balançando a rede adversária.
Sasha já tem 1.566 minutos, e sua média é de 195 para cada participação em gol. 

Vargas, nos seis jogos disputados, já soma 493, e sua média é a pior, de 246 minutos para participar de um gol atleticano.