Antes mesmo de a bola rolar para Atlético x Olímpia, na final da Copa Libertadores de 2013, que será reexibida neste domingo (17) pela Globo Minas, a agitação dos torcedores do Galo já movimentava as redes sociais.

Das várias lembranças que cada torcedor guarda daquele memorável 24 de julho, uma delas chama bastante atenção. Ao contrário das tatuagens feitas com rostos dos ídolos ou com a taça da competição mais importante da América do Sul, um atleticano foi além e imortalizou outro símbolo da inédita conquista.

No antebraço, Luiz Felipe Lima e Silva Azevedo Torrent (que nome!) resolveu estampar a imagem do tão cobiçado ingresso daquele duelo, talvez o mais importante da história do clube. Para se ter ideia, cambistas chegaram a cobrar até R$ 1.500,00 no dia da decisão.

“Assim que o Galo divulgou as vendas, eu e mais dois amigos fomos para a fila no Mineirão, uma 4h ou 5h da manhã. Compramos cerveja e tudo mais. Tivemos sorte porque tínhamos uma senha do GNV (plano de sócios) e conseguimos comprar por R$ 100. A bilheteria abriu às 10h30 e as 11 já estávamos com os ingressos”, relembra o sortudo torcedor.

“O Galo foi campeão. Choramos muito. Voltei para casa e guardei o ingresso. No ano seguinte, o Galo chegou à final da Copa do Brasil contra o Cruzeiro. Como o ingresso estava muito caro, pensei numa promessa. Logo me veio o bilhete da Libertadores. Fui em três tatuadores até achar um que conseguisse reproduzi-lo assim”, acrescenta o publicitário de 29 anos.

Antes, naquela virada histórica contra o Flamengo, ele já havia cumprido outra promessa. Vendo o time saindo atrás do placar, prometeu parar de fumar caso a virada viesse. Ao apito final, o 4 a 1 fez com que abandonasse de vez o vício. 

Para se ter ideia, o duelo dos alvinegros brasileiro e paraguaio, que rendeu o título inédito ao Atlético, estentou por muito tempo a maior renda do Novo Mineirão. Os mais de R$ 14 milhões só foram superados por um Brasil x Argentina, disputado em julho do ano passado, seis anos depois.

Atlético