O espanhol Rafael Nadal voltou ao País depois de oito anos. Se em 2005, ele era apenas uma jovem promessa, agora ele é a grande estrela do Brasil Open. E a torcida paulista lota o Ginásio do Ibirapuera a cada dia que o ex-número 1 do mundo entra em quadra.

Sem lugares marcados, o local foi dividido em anel superior e inferior, e até as escadas foram invadidas pelo público nesta sexta-feira (15). Mesmo os lugares reservados para imprensa estavam tomados pelos torcedores ávidos para assistir ao duelo entre Rafael Nadal e o argentino Carlos Berlocq pelas quartas de final.

Os números mostram que os dias em que Nadal está em quadra são sinônimos de casa cheia. Em sua estreia nas duplas, ao lado do argentino David Nalbandian, foram 8.214 ingressos vendidos e 1.806 cortesias na última terça-feira. Já em sua primeira partida na chave de simples, o espanhol voltou a contar com a lotação máxima nesta quinta: 6.527 bilhetes vendidos e 3.043 cortesias.

Para os sete dias do Brasil Open, no Ginásio do Ibirapuera, a organizadora do evento, Koch Tavares, já contabiliza um total de 46,5 mil ingressos vendidos. A presença do público foi o fator mais importante para tirar o Brasil Open da Costa do Sauipe e trazê-lo para São Paulo em 2012.

A competição foi realizada na Bahia entre 2001 e 2011. Mas a localização dificultava a promoção do evento e a disputa ficava com as arquibancadas vazias e sem grandes nomes do circuito internacional. Desde o ano passado, o Brasil Open ganhou nova casa. E o público tem correspondido.