As duas últimas partidas diante do Bahia foram especiais para Nathan. Pelo Brasileirão, no domingo passado (25), o meia atuou como centroavante e anotou um gol. Três dias depois, chegou ao seu centésimo confronto pelo Galo.

"Fico muito feliz por essa marca de cem jogos. Estou há pouco mais de três anos no Atlético. Meu desejo era chegar, ficar e fazer história no clube. Estou muito feliz. A gente vem crescendo a cada duelo. Com toda certeza o elenco que temos hoje vai conquistar, se Deus quiser, mais títulos neste ano", afirmou.

Polivalente, Nathan, como em tantas outras entrevistas, disse que não tem uma posição preferida no time, embora atue mais como volante ou meia e por vezes faça funções mais ofensivas ou pelos flancos do campo.

"Estava conversando com o Cuca uns dias atrás, e ele me perguntou em qual posição eu prefiro atuar. Eu disse que não tinha preferência, queria era estar em campo. Dependendo da partida, gosto de jogar mais recuado ou mais para frente. Contra o Bahia, ele me colocou de centroavante. E quase fiz outro gol no segundo (confronto de ida das oitavas da Copa do Brasil). Vai mais da visão dele. Ele tenta pegar o melhor de cada jogador e colocar isso em prática", destacou.

E com relação ao gol anotado nos 3 a 0 em cima do tricolor, também chamou atenção sua comemoração. “Sabia que ia chegar essa hora”, comentou em meio a risos, nesta sexta-feira (30). No entanto, preferiu não revelar o significado. “É segredo. Deu sorte. E vai continuar como segredo”, completou.

O Atlético volta a campo neste domingo (1), às 16h, contra o Athletico-PR, no Mineirão, pela 14ª rodada do Brasileiro.

Atlético

Nathan, em comemoração do gol marcado sobre o Bahia, no último domingo

Leia Mais:
Vela: Martine e Kahena sobem para 3º lugar na classe 49erFX em Tóquio
Bauermann aponta evolução no América no esquema com três zagueiros e prevê melhora defensiva
Formiga se despede das Olimpíadas: 'uma nova oportunidade de ganhar vai acontecer'