Os placares das duas goleadas que movem a maior rivalidade do futebol mineiro, curiosamente, integram a decisão do Módulo I de 2019 em curiosidades relativas a mais um confronto decisivo entre Atlético e Cruzeiro valendo a taça do Estadual.

Se na partida de ida, no último domingo (14), no Mineirão, que teve vitória cruzeirense por 2 a 1, o destaque era o 6 a 1 de treinadores, pelo fato de Mano Menezes ter em Rodrigo Santana o sexto comandante alvinegro diferente pela frente num clássico, nesta sua segunda passagem pela Toca da Raposa II, a volta, no Independência, no próximo sábado (20), às 16h30, , terá como marca o 9 a 2.

E esse placar tem relação com o número de voltas olímpicas que cada clube deu no Gigante do Horto, inaugurado em 1950, reformado na metade da década de 1980 e reconstruído a partir de 2010.

Décima taça

A chamada Era do Horto do futebol mineiro, entre os anos de 1950 e 1964, já que o Mineirão foi inaugurado no ano seguinte, teve a disputa de 15 edições do Campeonato Mineiro com o Independência sendo o grande estádio de Belo Horizonte.

Desses 15 Estaduais, o Atlético venceu nove (60%), e 12 deles tiveram o jogo do título disputado no Gigante do Horto. Por sete vezes, o Galo deu a volta olímpica no Independência. Isso aconteceu em 1952, 1953, 1954, 1955, 1958, 1962 e 1963.

Desses títulos, os de 1954 e 1962 foram em decisões diretas contra o Cruzeiro, como acontece agora na edição de 2019.

Além disso, em 1963, a taça também foi conquistada diante do maior rival, com um empate por 1 a 1, mas o jogo era pela penúltima rodada de um Campeonato Mineiro disputado por pontos corridos e que só tinha final direta entre dois clubes no caso de empate por pontos ganhos.

Os outros dois títulos que fazem o Atlético chegar a nove taças erguidas no Horto foram conquistados recentemente, após a reconstrução do estádio, em 2012 e 2017.

Bicampeonato

Na chamada Era do Horto, o Cruzeiro venceu apenas três títulos mineiros, no tricampeonato de 1959, 1960 e 1961. E duas dessas taças foram erguidas no Estádio Independência, em 1960, com um empate sem gols com o Atlético, e 1961, com uma goleada sobre o Bela Vista de Sete Lagoas.

Os dois torneios estaduais eram por pontos corridos, e a Raposa chegou ao título sem a necessidade de final direta.

Divisão

O Independência foi palco ainda de mais uma conquista estadual para cada lado, em 1956, ano em que eles dividiram o título do Campeonato Mineiro.

O Atlético levou a melhor em campo, mas escalou um jogador de forma irregular. O Cruzeiro recorreu aos tribunais e venceu a parada. O tapetão impediu volta olímpica, e a definição só saiu em março de 1959, quando o Conselho Nacional do Desporto (CND) propôs a divisão da taça, e os clubes aceitaram.

Outros campeões

Além de Atlético e Cruzeiro, só Villa Nova e América deram voltas olímpicas pela conquista do Campeonato Mineiro no Estádio Independência. Aliás, a primeira delas foi do Villa Nova, em 1951, numa decisão direta contra o Atlético.

O América também ganhou seu título no Independência numa final direta, em 1957, contra o Democrata de Sete Lagoas.