Em meio a maior crise de sua história, o Cruzeiro conta com a presença de dois ídolos da torcida para tentar dar a volta por cima em campo.

Um dos pilares do time comandado pelo técnico Adilson Batista é o zagueiro Léo, que junto com o goleiro Fábio, acertou a sua  permanência no clube estrelado e será uma das referências em um elenco recheado de jovens jogadores.

Na vitória por 2 a 0 sobre o Boa Esporte, nessa quarta-feira (22), no Mineirão, na estreia das duas equipes no Campeonato Mineiro, Léo foi o capitão do time, herdando a braçadeira de Henrique, que foi emprestado ao Fluminense.

Antes de mesmo de a bola rolar, o defensor foi ovacionado pela torcida, que cantou o nome do zagueiro a plenos pulmões nas arquibancadas.

“É (foi) um momento de muita emoção (homenagem da torcida). Eu venho me emocionando, o torcedor vem comprando as camisas com meu nome, me marcando em mensagens de apoio, mensagens em que o torcedor mostra que está junto. É um momento em que precisamos de todos juntos, onde nós (jogadores) nos posicionamos em permanecer, em ajudar o clube a nos adequar a todo esse momento. O torcedor é um grande apoiador, o grande símbolo disso tudo para que a gente possa reconstruir o clube”, afirmou Léo, em entrevista após o duelo com o Boa. 

Léo Cruzeiro

Legado

O zagueiro, que acertou uma readequação salarial com a diretoria estrelada, também revelou  o principal motivo que o fez permanecer no Cruzeiro.

“Eu estou no futebol para deixar um legado, influenciar alguém. E eu, tomando essa atitude (de permanecer), você sente algo diferente dos funcionários do clube, os funcionários te abraçando, chorando, vendo um pouco de esperança, dizendo que a gente está com o clube, que a gente respeita o clube, respeita a instituição e isso, para mim, é algo que me emociona bastante. Claro que a gente está no futebol para ganhar títulos, mas, o principal de tudo é deixar esse legado, essa influência para os mais jovens e para outros que vão ser contratos, que eles possam respeitar a instituição”.

Aos 31 anos, Léo chegou ao Cruzeiro em 2010 e disputou 381 jogos pela Raposa, marcando 21 gols. Com a camisa celeste, o defensor conquistou os títulos do Campeonato Brasileiro (2013 e 2014), da Copa do Brasil (2017 e 2018) e do Campeonato Mineiro (2011,2014, 2018 e 2019).