Há cerca de nove anos, Anselmo Ramon era ovacionado pela torcida do Cruzeiro como um dos responsáveis pela maior goleada da história do time sobre o rival Atlético, por 6 a 1, resultado que impediu os celestes de serem rebaixados para a Série B do Brasileiro. Hoje, o atacante e a Raposa se encontram na Segunda Divisão, mas um deles tem grandes chances de subir para a elite, enquanto o outro vive a desconfortável situação de brigar mais uma vez contra a degola.

Nesta terça-feira (24), o artilheiro da Chapecoense na competição (sete gols) e na temporada (nove) encara o clube que o revelou para o futebol tentando repetir o papel de algoz no primeiro turno. Foi o camisa 9 da Chape quem anotou o gol do triunfo por 1 a 0, que deu fim a uma invencibilidade de seis jogos seguidos dos mineiros no ano e representou também o início de um período sombrio para o Cruzeiro no torneio.

Números

Só para se ter uma ideia, Anselmo Ramon tem o mesmo número de gols que Airton (quatro) e Marcelo Moreno (três) juntos. As sete bolas na rede de autoria do avante alviverde representam pouco menos de um terço dos tentos marcados pela Raposa na Série B.

O retrospecto recente de Anselmo também é positivo: cinco gols nos últimos oito embates. No mais recente triunfo, por 3 a 1, sobre o Sampaio Corrêa, fora de casa, ele foi o autor do empate.

“É uma fase especial, mas tenho os pés no chão. Estou construindo uma história no clube, espero que de muitos títulos. Vou continuar me empenhando para que mais gols saiam para ajudar o grupo nesta sequência da Série B”, destacou o atacante da Chape.

Chapecoense e Cruzeiro se enfrentam às 21h30 desta terça-feira (24), na Arena Condá, pela 23ª rodada da Segunda Divisão.

Chapecoense