O meia Elano foi apresentado oficialmente na manhã desta segunda-feira (19) na Vila Belmiro e iniciou sua terceira passagem pelo Santos. O contrato do jogador tem a duração de quatro meses, até o final do Campeonato Paulista, o que não incomoda o jogador de 33 anos.

"O momento não é de contrato longo, mas sim de ajuda ao Santos. Tenho plena consciência de que vou fazer o melhor. O time tem qualidade para me ajudar e eu vou agregar aos mais jovens. O momento é de pés no chão", afirmou o jogador em entrevista coletiva.

Revelado pelo clube da Baixada Santista e um dos ídolo da geração que conquistou o título do Campeonato Brasileiro de 2002, o volante afirma que só retornou por causa da mudança da diretoria. O presidente Modesto Roma Junior, eleito em dezembro, tem o apoio do ex-presidente Marcelo Teixeira, e substituiu Odílio Rodrigues.

"Essa diretoria fez muito pelo título de 2002, que reconstruiu a história do Santos. Esse é um momento de reconstrução", disse o meia. "Com a diretoria anterior, eu não voltaria ao clube. Não é da minha pessoa ficar falando mal, mas eu saí por causa da diretoria. Foram eles que me trouxeram, mas algumas coisas me desgastaram dentro de um ano. Fiz todos os esforços para estar aqui porque eu sinto que o Santos precisa de mim", afirmou.

Elano não quis escolher uma posição para jogar e disse que está à disposição também para atuar menos vezes, se for necessário. "Eu quero ajudar e vou me preparar para isso, mas o Santos tem um grupo de 30 jogadores de qualidade. Jogando ou não estarei com alegria", afirmou.

O jogador surgiu com destaque em 2002 e contribuiu para encerrar o jejum de títulos do clube. Em 2004, conquistou o bicampeonato nacional antes de ser negociado. O meia voltou em 2011 para conquistar a Copa Libertadores e dois Campeonatos Paulistas ao lado de Paulo Henrique Ganso e Neymar. Recentemente, não teve sucesso atuando pelo Flamengo com Vanderlei Luxemburgo e estava no Chennaiyin, da Índia, no ano passado.

"Eu vivi um desgaste grande, dentro e fora de campo, e senti que precisava. Conversei com a diretoria do Flamengo e eles entenderam. No Brasil, não dá tempo de descansar. Foi uma decisão pessoal de parar e que me fez muito bem. Consegui voltar em alto nível", disse Elano, artilheiro da liga indiana com nove gols em 14 jogos.