Na tarde desta terça-feira (27), o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, autorizou a volta gradativa de público nos estádios da capital mineira. A autorização ocorre mediante aos números controlados de casos da Covid-19 no município.  Vale lembrar que competições realizadas pela CBF ainda não podem contar com a presença de torcedores. Sendo assim, a volta do público deve ocorrer no jogo entre Atlético e River, válido pelas quartas de final da Libertadores - torneio de responsabilidade da conmebol. A última vez que os estádios de BH tiveram a presença das torcidas foi em março do ano passado. Relembre:

América

O torcedor do Coelho viu de perto a equipe, pela última vez no Independência, no dia 8 de março de 2020. Na ocasião, o América empatou com o Boa Esporte, por 1 a 1, em jogo válido pela oitava rodada do Campeonato Mineiro. O jogo foi visto por 2.993 torcedores no Horto.  Na rodada seguinte, o América visitou o Patrocinense, sendo este o último jogo antes da paralisação total do Estadual, já com o estádio vazio.

Atlético

O último jogo com público do Galo foi no clássico contra o Cruzeiro, no dia 7 de março de 2020, válido pela oitava rodada do Mineiro. O alvinegro venceu a partida, por 2 a 1, com gol de Otero nos acréscimos da partida. O dia ficou marcado pela presença de Jorge Sampaoli nos camarotes do Gigante da Pampulha, pela primeira vez, e pelo inédito encontro entre Galo e Raposa com o time celeste na Segunda Divisão. O público do clássico foi de 47.534 pagantes, sendo que 4.210 eram cruzeirenses.

Naquela partida, Sampaoli ainda não havia sido apresentado e apenas acompanhou o jogo. Na rodada seguinte, o técnico estreou contra Vila Nova, no Alçapão do Bonfim, já sem a presença do torcedor.

Cruzeiro

Diferentemente de Atlético e América, a última exibição do Cruzeiro para o seu torcedor no Mineirão foi em uma partida válida pela Copa do Brasil, no dia 11 de março. A Raposa foi derrotada por 2 a 0 pelo CRB, diante de um público de pouco mais de 13 mil pessoas,  e o encontro de volta entre as duas equipes só ocorreu em agosto daquele ano. No domingo seguinte ao emabte com os alagoanos, o Cruzeiro jogou já de portões fechados contra o Coimbra, perdeu por 1 a 0, e a partida marcou a queda do então técnico da equipe celeste, Adilson Batista.