No momento de isolamento social em virtude da pandemia do coronavírus, a bola parou de rolar e atletas de todos os esportes passaram a viver uma nova rotina. Com Hyoran, meia do Atlético, não é diferente. Desde a semana passada, assim como os demais jogadores do alvinegro, ele está isolado com a família em casa.

Aprendo a lidar com este dia a dia bem atípico, o ex-jogador de Chapecoense e Palmeiras, contratado no início da temporada ainda na era Rui Costa, aproveita o período para curtir a esposa Andressa e  os dois filhos. Isaac tem três anos e Eloah apenas seis meses. 

“Tem sido um período bem corrido. Isso é bom para ocupar a cabeça. Minha família é meu alicerce. Eles que estão do meu lado nos momentos bons e ruins. O Isaac não para. Ele quer ficar jogando bola o tempo todo. A Eloah é um pouco mais calma, mas nem por isso deixo de dar um suporte para a minha esposa neste momento. Troco fralda, dou banho e faço outras ações que auxiliam na rotina da nossa pequena. Estou ajudando a cozinhar também. Quando os dois dormem, costumo assistir filmes com a minha esposa para relaxar um pouco. Esse relaxamento é algo importante para enfrentarmos toda essa adversidade”, conta o camisa 20 do Galo.

Bastante eleogiado pelo seu profissionalismo, logo que foi apresentado como novo jogador do Atlético, Hyoran não está apenas auxiliando nas suas tarefas como pai. Ele também está com uma rotina de treinos dentro de casa para manter-se em atividade.

“Nosso corpo é o nosso instrumento de trabalho. Por isso, precisamos estar sempre fazendo exercícios para quando retornarmos aos treinamentos não perdermos muito do nosso condicionamento. Até o meu filho, nessa energia plena dele em ficar jogando bola, me auxilia nesse momento”, explica o meia, que tem 12 jogos pelo clube mineiro, aniversariante desta quarta-feira (25); o Galo completa 112 anos.

O último jogo do Atlético aconteceu no dia 14 de março com uma vitória, fora de casa, por 3×1 contra o Vila Nova. A partida marcou a estreia do argentino Jorge Sampaoli no comando técnico do alvinegro. O meia atuou nos 90 minutos no triunfo atleticano em Nova Lima.

“Foi uma vitória importante e estávamos embalados, pois também havíamos vencido o clássico. Não tenho dúvida que vamos manter essa boa sequência quando voltarmos aos trabalhos. As coisas estão se encaixando. O elenco é qualificado, o Sampaoli é um grande treinador e a torcida do Galo faz a diferença”, finaliza.