Mais de um ano depois da morte de Miles Kirkland durante um treino de futebol americano colegial, os pais do jovem, que tinha 16 anos no dia da fatalidade, decidiram processar a cidade de Nova York. Eles entendem que houve negligência das autoridades no tratamento ao filho, que sofreu um colapso durante uma atividade física.

De acordo com os pais de Kirkland, os documentos judiciais apresentados este mês mostram que a cidade, os funcionários da educação e os trabalhadores da emergência local falharam em proporcionar a atenção adequada a seu filho. Eles reclamam que não havia um desfibrilador de prontidão para reanimar o garoto.

Miles Kirkland desmaiou durante um treinamento da Curtis High School, em Staten Island. Horas depois, o garoto foi declarado morto e os exames apontaram que a causa foi uma enfermidade do músculo cardíaco, chamada de cardiomiopatía hipertrófica. Os pais do jovem, no entanto, garantem que os exames de rotina nunca detectaram qualquer problema.