“I run to live”. A frase em inglês tatuada no braço de Pedro Pacheco, de 28 anos, deixa claro a paixão que o corretor imobiliário tem pela corrida. O esporte que começou por obrigação – a meta era perder peso e controlar o diabetes – foi responsável por uma mudança radical na vida do jovem.

“Mergulhei tão de cabeça que resolvi até cursar Educação Física”, comemora Pedro, que está no 5º período da faculdade.

Nem mesmo as duas cirurgias pelas quais precisou passar nos dois joelhos foram empecilho para este rapaz de 1,66m que chegou a beirar os 100 quilos.

“O médico me deu um puxão de orelhas muito sério e eu tive que mudar de vida. Hoje estou no meu peso ideal. Cheguei aos 66 quilos, que era o que eu desejava”, diz Pedro.

Quando era adolescente, Pedro adorava jogar tênis. Com o tempo, acabou deixando a antiga paixão de lado e começou a acumular os indesejáveis quilinhos extras. Mesmo com diabetes, doença descoberta aos cinco anos, ele acabou se acomodando. Ganhou com facilidade 35 quilos.

Da obrigação à paixão

Após receber o ultimato do médico, o antigo tenista resolveu dar um jeito. “Me matriculei na academia e comecei a caminhar. Aos poucos, comecei a intercalar a caminhada com a corrida e aí não parei mais. A corrida é viciante”, diz Pedro, que já perdeu a conta de quantas provas participou. Em dezembro, venceu pela segunda vez os 18 quilômetros da Volta Internacional da Pampulha e agora se prepara para superar os 21 da Meia Maratona de Belo Horizonte, que será disputada em junho.

Curso de educação física

Mas a experiência adquirida nas pistas não foi suficiente para Pedro. Há pouco mais de dois anos, ele decidiu buscar o conhecimento teórico na universidade para poder passar tudo que aprendeu para outras pessoas. Mas não são pessoas quaisquer.

“Eu tenho vontade de trabalhar com crianças e pessoas com necessidades especiais. Quero ajudar a essas pessoas a terem a mesma qualidade de vida que eu tenho hoje. A mesma qualidade de vida que eu adquiri desde que a corrida passou a fazer parte da minha vida”, projeta o corredor, que já iniciou também o curso de Engenharia Ambiental, mas viu que seria muito mais feliz na área esportiva.