Nos quase 500 clássicos já disputados entre Atlético e Cruzeiro, apenas dez tiveram mais de 100 mil pagantes. O Mineirão, que foi o palco de todos eles, disputados num intervalo de menos de 15 anos, entre 2 de junho de 1968 e 5 de dezembro de 1982, vive neste domingo o outro lado da moeda a partir das 16h, quando os dois rivais se enfrentam pela nona rodada da fase classificatória do Módulo I do Campeonato Mineiro.

No confronto que abre a semana do centenário do clássico, que teve o primeiro confronto em 17 de abril de 1921, o Gigante da Pampulha será o palco do primeiro duelo entre cruzeirenses e atleticanos sem torcedores no estádio. Isso é reflexo da pandemia pelo novo coronavirus, que impede a presença de público nos jogos desde março do ano passado.

cruzeiro, raposa, joãozinho, papo em diaEntre 1968 e 1982, dez clássicos entre Atlético e Cruzeiro tiveram mais de 100 mil pagantes no Mineirão. Neste domingo, eles fazem no estádio o primeiro clássico sem torcedores

Esses dez confrontos com multidões no Mineirão têm um público total de 1.114.801 pagantes, média de 111.480. É quase o dobro da capacidade atual da arena, que após a reforma para ser sede das Copas das Confederações (2013) e do Mundo (2014) passou a poder receber 62.170 pessoas em suas cadeiras.

Histórico

Quando se fala em presença de público, o clássico de 4 de maio de 1969 surge como destaque. Ele teve o maior número de pagantes da história do Mineirão: 123.351, com o borderô apresentando 129.377 presentes.

Mas aquele confronto, vencido pelo Cruzeiro, por 1 a 0, gol de Natal, está longe de ser o mais importante entre os “centenários”. Em 2 de agosto de 1970, o Galo quebrou um tabu de quase cinco anos sem vitória sobre a Raposa, em jogos pelo Estadual. O goleiro Raul, por exemplo, que chegou ao time estrelado em 1966, nunca tinha perdido para o rival em jogos pelo Campeonato Mineiro.

O resultado, conquistado diante de 106.155 pagantes, abriu o caminho para o primeiro título atleticano no Gigante da Pampulha.

Em 15 de dezembro de 1974, os dois rivais chegaram à última rodada do Estadual empatados em pontos. Quem vencesse era campeão. Com show de Joãozinho, o Cruzeiro levou a melhor, diante de 109.363 torcedores que pagaram ingresso.

Ano especial

Para os atleticanos, a vitória por 2 a 0, em 3 de abril de 1977, teve sabor especial. O Galo conquistou seu segundo título mineiro no Mineirão, o primeiro da geração de Reinaldo, contando com maioria absoluta dos 103.725 pagantes. No mesmo ano, em 9 de outubro, o Cruzeiro recuperou o troféu com 122.534 pessoas no Gigante da Pampulha.

Este é o segundo maior público pagante da história do estádio.

No clássico de 8 de novembro de 1981, o então presidente da Administração de Estádios do Estado de Minas Gerais (Ademg), Afonso Celso Raso, resolveu lançar uma promoção para saber quem levaria mais torcida ao confronto.

Foram confeccionados ingressos pretos e azuis. Nos 112.919 pagantes, o Cruzeiro teve 2.245 torcedores a mais, sendo que a grande diferença a favor do clube celeste foi registrada na geral, com 3.254 bilhetes de diferença.

O último clássico com mais de 100 mil pagantes foi em 5 de dezembro de 1982. E a vitória por 2 a 1, de virada, do Galo, diante de 108.935 torcedores, lhe garantiu o único pentacampeonato estadual na Era Mineirão.

Este título foi especial, afinal é o único da série do hexa alvinegro conquistado em cima do Cruzeiro.

Os clássicos com mais de 100 mil pagantes

Data

Placar

Campeonato

Pagantes

4/5/1969

Cruzeiro 1 x 0 Atlético

Mineiro

123.351

9/10/1977

Cruzeiro 3 x 1 Atlético

Mineiro

122.534

26/10/1980

Cruzeiro 0 x 1 Atlético

Mineiro

115.983

8/11/1981

Atlético 1 x 1 Cruzeiro

Mineiro

112.919

2/6/1968

Cruzeiro 2 x 1 Atlético

Mineiro

110.432

15/12/1974

Cruzeiro 2 x 1 Atlético

Mineiro

109.363

5/12/1982

Atlético 2 x 1 Cruzeiro

Mineiro

108.935

2/8/1970

Atlético 2 x 1 Cruzeiro

Mineiro

106.155

3/4/1977

Atlético 2 x 0 Cruzeiro

Mineiro

103.725

25/4/1976

Atlético 2 x 1 Cruzeiro

Taça MG

101.404