Durante a entrevista coletiva para explicar sua saída do Cruzeiro, Zezé Perrella, ex-gestor de futebol e ex-presidente do Conselho Deliberativo do clube, caiu em contradição a respeito do papel de Sergio Nonato e Itair Machado. No início da tarde desta quinta-feira (12), ele disse que Nonato e Machado ainda estão trabalhando nos bastidores do clube, algo que vai contra um discurso de Perrella há exato um mês.

Flagrado numa churrascaria conversando com Nonato e Wagner Pires de Sá, o então gestor de futebol explicou o encontro. Em nota, no dia 12 de novembro, Perrella destacou: “Sérgio Nonato não é mais funcionário do clube, porém, existem contratos comerciais e outras decisões tomadas por ele que precisamos entender, renegociar ou até renová-los. O ex-funcionário não frequenta mais a sede do clube. Por isso nos reunimos em um ambiente público sem restrição”. 

Nesta quinta, porém, Perrella deu um depoimento diferente a respeito da atuação de Serginho no Cruzeiro. “Tenho um sentimento que quem pediu a minha cabeça foi o senhor Itair Machado e Sérgio Nonato, que continuam dando palpites no Cruzeiro. Várias pessoas ligadas a eles foram desligadas do clube e ficaram incomodadas com isso”, afirmou.

Perrella

De qualquer modo, o anúncio de sua demissão na Raposa o pegou de surpresa. E que ansiava a renúncia de Wagner Pires. “Ontem (quarta-feira) sugeri que ele renunciasse, pois, a presença dele não é boa para o Cruzeiro. Ele disse que não renunciaria”, declarou.

Apesar de se dizer contra Wagner, Perrella aceitou tê-lo como presidente, enquanto atuava como gestor de futebol. “Eu estava muito para baixo quando o Cruzeiro caiu. Fui convencido de ficar. Sugeri a renúncia do Wagner na frente dele. Mesmo assim, fui convencido a ficar. A maneira que ele agiu, de mandar uma mensagem para mim, vi que eu não era mais o gestor de futebol do Cruzeiro”, comentou.

Cruzeiro