Vinte e três integrantes da torcida organizada Young Flu foram presos depois de agredir e roubar dois torcedores do Vasco, na tarde do último sábado, numa estação de trem na zona norte. A polícia havia sido alertada pela concessionária Supervia da presença do grupo - 21 foram transferidos para uma unidade do Complexo Penitenciário de Bangu, depois de prestarem depoimento. Dois agressores eram adolescentes e foram encaminhados para a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).

Dois estudantes, de 16 e 17 anos, aguardavam o trem na estação do Engenho Novo. Eles não participavam de nenhuma torcida organizada e estavam com camisas do Vasco. Os integrantes da torcida Young Flu cercaram os rapazes e começaram a agredi-los. Eles tiveram roubados tênis, carteiras e celulares.

De acordo com o comandante do Grupamento Especial de Policiamento em Estágios (GEPE), tenente-coronel João Fiorentini, alguns dos integrantes da torcida organizada estavam com protetor bucal, dispositivo usado por praticantes de artes marciais e boxe. "Isso demonstra que eles já seguiram para o jogo com a intenção de brigar", afirmou.

A delegada Cristiane Carvalho, da 24.ª Delegacia de Polícia (Piedade), indiciou os integrantes da torcida organizada pelos crimes de lesão corporal, formação de quadrilha e corrupção de menores. Três deles vão responder também por roubo - eles estavam com os pertences dos dois jovens atacados. Os jovens agredidos, feridos com escoriações no corpo, foram atendidos no Hospital Municipal Salgado Filho e receberam alta em seguida.

No último dia 19, o torcedor do Vasco Diego Martins Leal foi morto a tiros por integrantes da Torcida Jovem do Flamengo. Dois suspeitos foram presos. A chefe da Polícia Civil, Martha Rocha, enviou representação para a Procuradoria Geral de Justiça para que sejam adotadas medidas restritivas contra integrantes da torcida, como a suspensão ou impedimento da entrada da Jovem Fla em estádios de futebol
do Estado do Rio.