Mais de dois meses depois de ser eliminado pelo Atlético na Copa Libertadores, o Boca Juniors recebeu severas punições da Conmebol pela confusão provocada por dirigentes e jogadores depois da partida no Mineirão. A entidade sul-americana anunciou a suspensão de seis atletas, com diferentes penas.

Villa e Pavón foram suspensos por seis partidas, Rojo por cinco, Izquierdoz por quatro, Pulo González por três e Javi García por duas. Todos os jogadores devem cumprir as suspensões na próxima competição organizada pela Conmebol que Boca Juniors disputar.

Cruzeiro

Jogadores do Boca Juniors usaram grades e bebedouros em tumulto no Mineirão 

A equipe argentina já está classificada, pelo menos, para a próxima edição da Copa Sul-Americana, por ter sido campeã da Copa Diego Maradona, mas ainda briga por vaga na Copa Libertadores. 

Além das suspensões, a Conmebol aplicou multas aos seis jogadores que totalizam US$ 130 mil, valor superior a R$ 716 mil na cotação atual.

Dirigentes do Boca suspensos por dois anos

As punições ao Boca Juniors não ficaram restritas aos jogadores. Os dirigentes Raúl Alfredo Cascini e Marcelo Delgado, membros do Conselho de Futebol do clube argentino, estão proibidos de entrar em estádios em competições da Conmebol por dois anos. Além disso, para cada um deles, foi aplicada uma multa de US$ 30 mil (equivalente a R$ 165 mil).

O auxiliar Leandro Somoza foi suspenso por seis partidas, enquanto o treinador de goleiros Fernando Gayoso não poderá participar de três jogos do Boca Juniors em competições sul-americanas. Para ambos, houve ainda multa de US$ 15 mil (equivalente a R$ 82 mil, na cotação atual).

Relembre a confusão após Atlético x Boca Juniors

Atlético e Boca Juniors se enfrentaram pelas oitavas de final da Copa Libertadores. O Galo se classificou na disputa de pênaltis, após empates por 0 a 0 nas duas partidas. Depois do apito final, jogadores, membros da comissão técnica e dirigentes do clube argentino tentaram invadir o vestiário dos árbitros.

Seguranças do Mineirão e policiais militares contiveram os argentinos, que tentaram então invadir o vestiário do Atlético, mas sem sucesso.

Depois da confusão, a delegação do Boca Juniors teve de prestar esclarecimentos à polícia e passou a noite em delegacia na Região da Pampulha, em Belo Horizonte. 

Dois jogadores do Boca Juniors foram presos em flagrante por dano qualificado e tiveram de pagar R$ 3 mil cada para serem liberados.