O conselho do Cruzeiro aprovou por unanimidade na noite desta quarta-feira (21), em assembleia realizada no Salão Nobre do Parque Esportivo do Barro Preto, a proposta de alteração de sete artigos do Estatuto Social do clube. As mudanças visam à adequação desse documento às exigências requisitadas para a adesão ao Profut (Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro).

“Os conselheiros e os associados convocados atenderam prontamente à convocação, compareceram em bom número e entenderam a necessidade de adequarmos o estatuto do Clube às exigências do Profut. Dessa forma, com a adequação, o Cruzeiro passa a poder reivindicar do governo federal o parcelamento de dívidas e utilizar um perdão maior por parte de juros e outros encargos. Segundo cálculos que nós fizemos, teremos uma economia substancial e um parcelamento que pode ser pago em 240 vezes”, disse o presidente Gilvan de Pinho Tavares ao site oficial do Cruzeiro.

Gilvan ainda ressaltou alguns artigos que precisaram ser alterados, como o que trata da responsabilidade dos diretores sobre possíveis danos causados à entidade esportiva e também o texto que cuida dos investimentos no elenco de futebol profissional.

“É evidente que agora nós devemos ter ainda mais acerto nas nossas contas, porque a lei é muito rigorosa com os dirigentes do clube e também precisaremos gastar menos com o futebol profissional, já que o gasto nessa área não poderá passar de 80% da receita. Logo, cumpriremos com tudo isso para termos o direito de usar o Profut. Mas estamos tranquilos quanto a isso, porque o Cruzeiro sempre foi um clube muito responsável e continuará sendo”, completou.