cruzeiro

As eleições presidenciais no Cruzeiro para o "mandato tampão" até o fim de 2020 já geram críticas por parte de torcedores e também de quem pode ser um dos candidatos à presidência da Raposa. 

O advogado Sérgio Santos Rodrigues, que já se colocou como postulante ao cargo de presidente do clube nas próximas eleições, mostrou contrariedade no que diz respeito à data escolhida para a realização do pleito.

Dia 21 de maio foi o dia escolhido pelo presidente interino José Dalai Rocha. Entretanto, quando o Cruzeiro estiver escolhendo o seu presidente "tampão", o técnico Adilson Batista já terá comandado a equipe estrelada por quase seis jogos na Série B do Campeonato Brasileiro. E isso foi motivo de críticas. 

"A data é horrível (da eleição presidencial). Eleger o presidente no dia 21 de maio para que esse assuma no dia 1º de junho fará com que seja perdido um prazo importante de planejamento da Série B. Subir para a Primeira Divisão é o grande objetivo do Cruzeiro, e ao fim dos estaduais, o clube estará formatando o elenco para disputar o Brasileirão.

Será preciso um time cascudo, e esse intervalo entre a decisão do Campeonato Mineiro e o início do Brasileirão, importante para essa remontagem, estará perdido", criticou.

Sobre a montagem das chapas para o pleito presidencial do dia 21 de maio, José Dalai Rocha entende que o melhor para o atual momento do clube seria uma chapa única e com um nome de consenso. Dalai deseja uma figura que não tenha participado de nenhum ato nas últimas gestões.

"Eu conversei com o Dalai e disse a ele que encontrar um consenso no meio de 500 conselheiros, sendo que 200 podem se candidatar, é complicado. Se uma ala lança um candidato, à Família União também pode lançar, qualquer outro pode se candidatar. É complicado isso", comentou.

Além de Sérgio Santos Rodrigues, João José Moreira Neto, conhecido como "João Doido" e ligado à Família União (responsável pela eleição de Wagner Pires de Sá), também chegou a dizer que lançaria candidatura à presidência do Cruzeiro. 

"Não tenho chapa definida ainda, estamos conversando. Eu me coloquei como possível candidato após algumas conversas e pelo apoio recebido do Pedro Lourenço (dono da rede de Supermercados BH). Mas o grupo Transparência (Pró-Cruzeiro Transparente) está em conversas. 

José Dalai Rocha tentou articular alguns nomes para essa eleição, como o ex-deputado Aloísio Vasconcellos, e o empresário Aquiles Diniz. No entanto, ambos não se dispuseram por questões particulares. 

De acordo com o Superesportes, o empresário Emílio Brandi, dono da atacadista Nova Safra, voltou à pauta de José Dalai Rocha para, quem sabe, ser o nome de consenso para as eleições de maio.