O prefeito do Rio, Eduardo Paes, aproveitou a inauguração do Centro de Treinamento (CT) de Ginástica Artística, na Barra da Tijuca, na zona oeste da cidade, para cobrar maior investimento do governo federal no esporte de alto rendimento. Em tom quase de campanha, Paes discursou pedindo para o País "tomar vergonha na cara".

"O desafio do Brasil é tomar vergonha na cara e apoiar o esporte como ele deve ser apoiado, e especialmente o esporte de alto rendimento. É preciso começar a investir de maneira mais enfática no esporte de alto rendimento. Um país com este tamanho, com estas dimensões, que quer ser um país desenvolvido, tem que entender que o esporte precisa (de apoio)", disse o prefeito.

"O poder público, o governo, precisa ajudar. A Olimpíada vai deixar um enorme legado para esta cidade, e não pode ter injustiça maior do que acabar a Olimpíada, ficar um super legado pra cidade e não ficar um legado esportivo", discursou.

Na avaliação de Paes, o Rio está investido recursos da cidade para financiar o esporte de todo o País. "Isto aqui na verdade é uma cobrança. Eu assumo um compromisso, mas vou fazer uma cobrança. Não é correto que a cidade do Rio de Janeiro tenha que bancar todo centro olímpico de treinamento do Brasil", pontuou.

"O ideal era que o governo federal tomasse a decisão logo. Temos um novo ministro, vamos acreditar no novo ministro", continuou o prefeito. "A gente vai ceder (o CT) para o governo federal, numa parceria com o COB. Se o subsídio (do governo federal) não acontecer, a cidade do Rio de Janeiro tem obrigação de assumir o compromisso de bancar essa conta."

Por fim, Paes também fez um mea-culpa. "Quero me desculpar com os atletas, porque eu sei que o Rio é a capital da Olimpíada e ao mesmo tempo está cheio de falta de lugar para treinar. Tira o velódromo daqui, Célio de Barros, Maracanãzinho deu um monte de problemas...", lembrando o fechamento desses locais nos últimos anos.