Vice-campeão mundial adulto em 2014, Marcus Vinicius D'Almeida alcançou o status de candidato à medalha nos Jogos Olímpicos do Rio-2016. Para poder possibilitar ao arqueiro brigar de igual com igual com os melhores do mundo, o Governo Federal autorizou o repasse de R$ 642,5 mil à Confederação Brasileira de Tiro com Arco (CBTArco) apenas para a preparação do carioca.

O valor não contempla o pagamento de bolsa para Marcus Vinicius, que recebe R$ 15 mil por mês do Governo Federal por meio da Bolsa Pódio. Pelo convênio, o Ministério do Esporte vai colocar à disposição do arqueiro um médico (R$ 6 mil, por quatro horas semanais), uma psicóloga (R$ 3,5 mil, por oito horas semanais), um auxiliar técnico, um fisioterapeuta e um preparador físico. Além disso, vai pagar os salários da técnica Dirma Miranda, ex-atleta, que descobriu Marcus Vinicius em Maricá (RJ). Ela receberá R$ 10 mil por mês.

O convênio ainda contempla a aquisição de material esportivo, apesar de a CBTArco ser patrocinada pela mesma empresa que da qual irá comprar os equipamentos. Só em materiais para o arqueiro o governo vai investir R$ 22 mil.

Além disso, o Ministério do Esporte assinou outro convênio com a CBTArco para "preparação de atletas para a Olimpíada". Ao custo de R$ 2,1 milhões, o governo vai pagar para 16 arqueiros competirem no exterior, entre eles Marcus Vinicius. Só seis, entretanto, estarão no Rio-2016.

Após uma temporada irregular em 2015, Marcus Vinicius é o 14.º colocado do ranking mundial do tiro com arco. No ano passado, ele foi campeão mundial cadete (até 18 anos) e medalhista de bronze por equipes no Pan. Em competições adultas, ficou em nono em duas etapas da Copa do Mundo e em sétimo no Mundial.