Pedro Rocha

 

A contratação do atacante Pedro Rocha pelo Cruzeiro, em 2019, teve sim aporte financeiro de um dos patrocinadores do clube. O Banco Digimais, muito contestado pelos torcedores nas redes sociais desde que a Raposa passou a ser cobrada pelo Spartak Moscou-RUS na Fifa, auxiliou o clube na negociação. Quem confirma esse fato é Sérgio Santos Rodrigues, atual presidente do clube. 

A informação oficial responde ao grande questionamento dos torcedores, que há tempos pedem justificativas para a contratação do atacante, atualmente no Flamengo, ter virado discussão na entidade máxima do futebol.

Na "Live do Presidente" da última quinta-feira (6), o presidente Sérgio Santos Rodrigues explicou a situação que envolveu o repasse do dinheiro do patrocinador para o clube. 

“Na verdade, foi um mal-entendido. Procuramos apurar o que ocorreu junto ao banco, e o que eles nos relataram foi que os dirigentes, que se Deus quiser vamos expulsar para sempre do clube, pediram um valor adiantado de patrocínio para o banco Digimais. O banco Digimais adiantou esse valor, e eles não pagaram a contratação que fizeram. Então, como fizeram com dinheiro de imposto e diversos outros valores, a gente não sabe para onde foi. A Polícia vai conseguir mostrar isso para nós. Mas a culpa não foi do parceiro. Pelo contrário, o parceiro adiantou o recurso, mas o dinheiro foi mal gasto. Talvez tenha sido gasto no cartão corporativo naqueles locais que a gente já falou quais são”, explicou.

Em abril de 2019, o então vice-presidente de futebol do Cruzeiro, Itair Machado, disse que a contratação de Pedro Rocha seria bancada pelo Digimais. O valor da contratação por empréstimo girou em torno de R$ 3,2 milhões. 

“O Pedro abriu mão de parte do que ganha lá (na Rússia). Porque todos sabem que o que os atletas ganham lá é impossível pagar no nosso país. Lá atrás, o Cruzeiro pagaria até mais pelo empréstimo, mas desta vez foi 750 mil euros (R$ 3,2 milhões na cotação da época), que será pago através do Banco Digimais”, afirmou à época.

Itair Machado, que está internado em Belo Horizonte por causa da Covid-19, foi citado por Sérgio Santos Rodrigues na Live do Presidente. Rodrigues informou que enviou ao Conselho Deliberativo do clube protocolo para exclusão do ex-dirigente do quadro de sócios do Cruzeiro. 

Fifa

Na última quinta-feira, o Cruzeiro encerrou a discussão com o Spartak Moscou na Fifa. O clube pagou R$ 3.065.384,63 ao clube russo pelo empréstimo, que deveria ter sido pago pela gestão Wagner Pires de Sá, mas não foi. 

O pagamento da dívida evita que o clube seja punido mais uma vez pela Fifa, que poderia impedir registros de atletas pela Raposa em 2020. 

O Cruzeiro já foi punido neste ano pela entidade máxima do futebol por não pagar ao Al Wahda, dos Emirados Árabes Unidos, e por isso perdeu seis pontos antes mesmo de o Campeonato Brasileiro da Série B começar. Em 2016, o clube conseguiu o empréstimo do volante Denilson, mas não pagou. E por isso a punição.