O técnico Lisca foi um dos protagonistas do América na vitória por 2 a 1 sobre o Cruzeiro, neste domingo (2), no Mineirão, no jogo de ida da semifinal do Campeonato Mineiro. Dentro e fora de campo.

Se foi um dos responsáveis pela virada do Coelho, através de substituições e alterações táticas no segundo tempo, o treinador americano foi o personagem de várias polêmicas no clássico.

Já no primeiro tempo, reclamou bastante de algumas decisões da arbitragem e recebeu o cartão amarelo. A advertência, inclusive, foi a terceira do técnico, que vai cumprir suspensão na partida de volta.

Ainda na primeira etapa, o comandante discutiu com o atacante da Raposa, Bruno José, com direito a vários palavrões de ambos os lados, flagrados pela transmissão de TV.

Mais polêmicas

Na segunda parte da partida Lisca seguiu roubando a cena.

Após o segundo gol do Coelho, marcado por Ademir, o técnico do América comemorou de frente para o banco de reservas do time celeste, gesticulando bastante, o que revoltou os jogadores e a comissão técnica da equipe estrelada.

No primeiro tempo, quando Rafael Sóbis abriu o placar, o comandante alviverde havia reclamado que o banco dos azuis teriam feito provocações.

Nos minutos finais, o entrevero de Lisca foi com Fábio, com direito a novo bate-boca.

Após o apito final, ainda houve um tumulto na saída dos jogadores rumo aos vestiários do Gigante da Pampulha.

Questionado sobre a postura de Lisca, o treinador da Raposa, Felipe Conceição, preferiu não repercutir o tema.

“Dentro de uma questão ética, prefiro falar da questão técnica. Eu acho o Lisca um ótimo treinador, vem fazendo um grande trabalho no América. Só isso que tenho para falar”, disse Conceição.