O zagueiro Edu Dracena não concorda com as críticas que os jogadores do Corinthians receberam da torcida após a eliminação na Copa Libertadores. Os atletas, que estão com direitos de imagem atrasados, foram chamados de mercenários e vagabundos.

"Isso não entra na nossa cabeça. Se estão atrasados ou não (direitos de imagem), somos profissionais. Provamos que aqui não existem mercenários, vagabundos. Estamos treinando. Se erramos, é normal. Isso nos deixa chateados", afirmou.

Dracena disse que o torcedor ultrapassa os limites com alguns assuntos que lidam com paixão, como é o futebol. "Somos capazes de assimilar isso. Não foi a primeira e nem será a última vez que vão falar sobre esse assunto."

O Corinthians foi eliminado na Libertadores na última quarta-feira após a derrota para o Guaraní, por 1 a 0, no Itaquerão - na ida, os paraguaios venceram por 2 a 0. No último sábado à noite, o time se reabilitou ao vencer a Chapecoense pelo Brasileirão, por 1 a 0.

A saída da Libertadores vai gerar uma reformulação no elenco do Corinthians. O clube precisa cortar custos e enxugar a folha salarial. Jogadores com altos salários podem deixar o clube.

Dracena, que foi contratado nesta temporada, fez um apelo à diretoria para que o atacante Paolo Guerrero permaneça no clube. O peruano pediu R$ 21 milhões para renovar o contrato. "Se eu tivesse dinheiro, pagaria", afirmou Dracena. "Será ruim se perdemos o Guerrero para um rival, pela qualidade, pelo ídolo que é. Espero que ele permaneça, será bom para todos."