Uma das grandes esperanças do Cruzeiro na disputa pelo acesso à elite do futebol nacional neste ano, o meia Régis concedeu sua primeira entrevista como atleta da Raposa nessa sexta-feira (8). Destaque do Bahia nos últimos anos, ele retomará a parceria com Enderson Moreira, seu treinador em 2018, e disse que, sob o comando do ex-técnico do Ceará, a equipe estrelada tem tudo para voltar a seu lugar de direito, a Série A.

“O que tenho para falar do Enderson é que é um excelente profissional, pessoa correta, fala no olho do jogador e é paizão, abraça o jogador. Por todo o suporte que o Cruzeiro oferece ao atleta e toda a comissão, tenho certeza que ele fará grande trabalho”, destacou.

Com relação ao nível da Série B do Brasileiro, competição que ele já disputou, inclusive obtendo um acesso recente, em 2016, com o Bahia, Régis ressalta que só nome não ganha jogo.

“Pela experiência que tive no Bahia, Série A é difícil, e Série B é muito mais. É matar um leão a cada dia, não se pode perder pontos, é um campeonato muito difícil, com equipes muito boas. Onde formos jogar, eles (adversários) têm que saber que ali está o Cruzeiro e nos respeitar, e nós temos que fazer por merecer (a vitória)”, ressaltou.

Cruzeiro

A experiência de Enderson, inclusive, será fundamental em um torneio tão acirrado, segundo o armador. “Temos um treinador que sabe muito bem disso (disputa acirrada na Segunda Divisão). Nem sempre haverá jogo bonito na Série B, mas às vezes é melhor jogar feio e vencer do que atuar bonito e perder. Quanto mais vencermos e somarmos pontos, tanto fora quanto dentro de casa, seremos muito felizes nesta Série B”, diz o candidato a novo maestro celeste.

“Para mim é um prazer enorme vestir essa camisa. Quando houve o interesse (do Cruzeiro), fiquei muito feliz, não pensei duas vezes. Um clube com uma história que dispensa comentários. Espero conquistar a torcida e nossos objetivos. Procuro sempre o gol, sou muito agudo, sirvo bem os companheiros. Não vai faltar raça”, comenta.