Por conta da pandemia, a Conmebol e a Fifa suspenderam as duas rodadas de março das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo. Enquanto isso, no Brasil, personalidades do esporte criticam a Confederação Brasileira de Futebol da decisão de manter para esta semana datas da primeira fase da Copa do Brasil. Em meio a tantas dúvidas e indagações, se o calendário nacional de futebol precisa ou não ser paralisado, já são mais de 260 mil mortes por coronavírus no país.

Assuntos que fizeram parte da entrevista coletiva do zagueiro atleticano Réver, nesta segunda-feira (8), dia de reapresentação dos jogadores alvinegros que mais atuaram em 2020, na Cidade do Galo. Segundo o xerifão, “não adianta paralisar o futebol” se outras áreas da sociedade não seguirem os protocolos de prevenção. Porém, ele se mostrou favorável ao adiamento do calendário. 

"A gente fica muito chateado, até porque já foi um ano da paralisação por conta da pandemia. E iniciamos este ano achando que a vacina estaria chegando, mas o processo vem sendo muito devagar, há muitos casos difíceis de se controlar, e a cidade está fechada novamente. Pessoas que têm o poder nas mãos não pensam em como deveriam ser tomadas essas atitudes (referindo-se às medidas de segurança e prevenção durante a pandemia). Claro que se tiver jogos vamos procurar executar da melhor maneira possível, e o Atlético vai fazer todos os protocolos”, destacou.

“(A pandemia) aumenta dia após dia, e não sabemos quando isso vai terminar, se vai terminar. Não adianta também paralisar o futebol, embora fosse um passo importante para ver a proporção que a pandemia tomou, se não vermos que há casos piores, como festas. Cada um deveria fazer sua parte para termos uma vida normal o quanto antes (...). Eu também acabo tomando partido de paralisar para o bem de todos e retomar quando tudo se estabilizar da maneira mais adequada possível", completou.

Atlético

Cuca

A apresentação do técnico Cuca no Galo, prevista para esta terça (9) foi adiada, devido ao agravamento do quadro de saúde da mãe dele, que contraiu o coronavírus. Réver, aliás, disse que vai enviar uma mensagem positiva ao treinador muito em breve, passando força a ele.

“Não tive oportunidade de falar com ele, pois não tinha nada certo ainda (referindo-se ao acerto do técnico com o Atlético). Mas vou mandar uma mensagem de apoio por esse momento difícil que ele vem passando. A gente ora e torce muito para que a mãe dele fique bem, e que ele possa estar aqui com a gente”, afirmou o zagueiro.