O início de trabalho de Mozart no Cruzeiro vem surpreendendo até os mais críticos. Além da “injeção” de garra e determinação, a Raposa apresentou melhoras em termos defensivos e variações táticas ao longo dos jogos. Resultado: quatro pontos conquistados em seis disputados.

Para Ramon, a equipe assimilou bem muitas das ideias do novo treinador já neste começo de trajetória. E, ainda de acordo com o zagueiro, a filosofia de trabalho do técnico tem similaridades com outro comandante que passou recentemente pelo clube. 

"O Mozart tem um estilo de jogo parecido com o que tínhamos com o professor Luiz Felipe (Scolari). Temos que nos adequar o mais rapidamente possível. Temos pouco tempo de treino, jogo atrás de jogo. Durante as partidas, a gente tenta botar em prática tudo o que ele pede. Graças a Deus, neste início de trabalho dele, conseguimos colocar em prática", afirmou o defensor.

Com relação à garra mostrada no empate em 1 a 1 com o Goiás e na vitória por 1 a 0 sobre a Ponte Preta, ele enfatiza que esse tipo de comportamento, também frisado pelo treinador, precisa ser uma máxima em todas as rodadas.

"Precisa-se de muita força de vontade e garra. Ainda mais nesta Série B, uma das mais difíceis de todos os tempos. Quando se coloca essas cinco estrelas no peito, tem que dar algo a mais, correr sempre acima dos 100%. O Cruzeiro é gigante, não merece passar por isso. Quem entrar em campo vai dar seu máximo e evoluir para conseguirmos nosso grande objetivo", disse.

O Cruzeiro entra em campo neste sábado (19), às 19h, contra o Operário-PR, no estádio Germano Krüger, pela quinta rodada da competição.

Cruzeiro