A Renault informou nesta segunda-feira (21) que finalizou o processo de compra da escuderia Lotus, da Fórmula 1, e assim regressará em 2016 ao Mundial de Construtores após cinco anos.

O novo nome da equipe, sua estrutura de gestão, patrocinadores e outros detalhes serão divulgados em fevereiro, em Paris, informou a marca. Durante este período de espera, a Renault criou um conselho de administração, presidido por Jerôme Stoll e com Cyrol Abiteboul como diretor geral.

O processo de compra começou em 28 de setembro e foi praticamente sacramentado em 3 de dezembro. A Renault tem 300 GPs disputados na Fórmula 1, com 35 vitórias, 51 poles e 100 pódios. O piloto mais vitorioso que dirigiu pela escuderia foi o espanhol Fernando Alonso, com 105 GPs e 17 vitórias, além dos título mundial das temporadas 2005 e 2006.

A escuderia estreou em 1977 e saiu pela primeira vez da competição em 1985. Retomou os trabalhos em 2002 e seguiu até 2009 com um carro com seu nome no grid. Entre 2009 e 2011 passou a ser apenas fornecedora de motores, quando vendeu a equipe para o Grupo Genii.

Com a oficialização da volta à categoria, a Renault terá no grid da Fórmula 1 em 2016 o venezuelano Pastor Maldonado e o novato britânico Jolyon Palmer, que assume a vaga de titular com a saída de Romain Grosjean para a nova equipe, a norte-americana Haas.