Mesmo com um time completamente reserva, o Cruzeiro desperdiçou uma grande chance de marcar três pontos diante do Bahia, no estádio Fonte Nova. Com o adversário sem um jogador, expulso, desde os 42 minutos do primeiro tempo, a equipe celeste impôs perigo, mas não conseguiu sair do 0 a 0.

Apesar de o resultado ter sido comemorado pela garotada, o empate deixou o Cruzeiro entre os últimos colocados, podendo voltar à zona de rebaixamento se a Chapecoense vencer o São Paulo, na segunda-feira.

Sem os titulares, que ficaram em Belo Horizonte se preparando para ao confronto contra o River Plate, em Buenos Aires, na terça-feira, pela Copa Libertadores, o Cruzeiro tomou as rédeas da partida desde o primeiro mintuo, fazendo uma marcação no meio-campo e criando muitas possibilidades de ataque.

Sassá foi um dos destaques, desperdiçando duas boas chances no primeiro tempo. Uma delas aos 12 minutos, após cobrança de falta de David, em que apareceu na área para cabecear, obrigando Douglas Friedrich a fazer uma grande defesa.

A melhor oportunidade, porém, saiu dos pés de Éderson, aos 13 minutos. Depois de se desviar num zagueiro, a bola sobrou para ele na entrada da pequena área, de frente para o gol, mas o volante acabou acertando na trave.

Com muitos problemas para armar a equipe, o Bahia, por sua vez, concentrava-se nos pés de Artur, pela esquerda, as suas chances para abrir o placar, mas o atacante era facilmente desarmado pelos defensores do Cruzeiro.

Abusando das faltas, o time baiano acabou perdendo o atacante Caíke no final do primeiro tempo, que recebeu o segundo cartão amarelo após dar um pisão no tornozelo de Jadson. Boa parte da torcida vaiou o Bahia na saída para o intervalo.

Com a superioridade numérica, o Cruzeiro continuou ditando o ritmo de jogo, sempre chegando com perigo ao gol. Apesar da desvantagem, o Bahia não abdicou de buscar a vitória dentro de casa.

Aos 13 minutos, os baianos perderam uma grande chance, nos pés de Lucca, que entrou no início do segundo tempo, no lugar de Ramires. Ele entrou na área pela esquerda e chutou firme para gol, com Rafael espalmando para fora.

Logo em seguida, outra boa oportunidade perdida pelo Bahia, com o zagueiro, que chutou de longe, a boa desviou em Fabrício Bruno, do Crueiro, e quase enganou Rafael, que teve que dar um toque nela para mandá-la para escanteio.

Aos poucos, mesmo com um jogador a menos, o Bahia foi mudando a situação do jogo, passando a pressionar o Cruzeiro, principalmente pela queda na parte física do time mineiro. Mas não conseguiram transformar as chances em gols.

 

BAHIA 0 X 0 CRUZEIRO

CARTÕES AMARELOS – Caíke, Ezequiel, Cacá

CARTÃO VEREMELHO - Caíke

BAHIA – Douglas Friedrich, Ezequiel (Ronaldo), Lucas Fonseca, Juninho, Giovanni, Gregore, Flávio, Ramires (Lucca), Artur, Gilberto (Fernandão) e Caíke. Técnico: Roger Machado.

CRUZEIRO - Rafael, Weverton, Fabrício Bruno, Cacá, Dodô, Éderson, Ariel Cabral, Jadson, Maurício (Rafael Santos), David e Sassá (Vinicius Popó). Técnico: Mano Menezes.

LOCAL – Fonte Nova, em Salvador

ARBITRAGEM - Luiz Flavio de Oliveira (SP), auxiliado por Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Bruno Salgado Rizo (SP).

PÚBLICO TOTAL – 19.040

RENDA - R$ 248.619,00