A Liga Sul-Minas-Rio está oficialmente criada. Um encontro realizado nesta quinta-feira (10), na sede do Flamengo, no Rio, selou a criação da entidade com a presença de 13 clubes. Ela é apontada como o primeiro passo para a criação de uma liga de alcance nacional. Agora, tentará viabilizar um campeonato já para a próxima temporada, que contaria com a participação de 10 equipes.

Para isso acontecer, porém, será necessário o aval da CBF. A entidade, que já divulgou o calendário do futebol para o próximo ano, não parece muito disposta a apoiar a competição. Mas os dirigentes presentes à reunião desta quinta-feira não creem em impedimento, já que a CBF estaria comprando briga com pelo menos metade dos clubes da Série A.

"Na última reunião da diretoria (da CBF), na semana passada, o presidente Marco Polo Del Nero demonstrou não estar muito
interessado em apoiar a Copa Sul-Minas, mas ele tem que entender que vai enfrentar 10 clubes fortes, 10 clubes que praticamente são 50% da Série A. Como ele vai enfrentar esses 10 clubes, que estão resolvidos e não vão abrir mão?", questionou Delfim de Pádua Peixoto Filho, presidente da Federação Catarinense de Futebol e vice-presidente eleito da CBF. Ele foi o único presidente de federação estadual na reunião.

A nova liga conta com Internacional, Grêmio, Avaí, Figueirense, Criciúma, Joinville, Chapecoense, Atlético Paranaense, Coritiba, Atlético Mineiro, Cruzeiro, além de Flamengo e Fluminense. Gilvan Tavares, que dirige o Cruzeiro, foi escolhido presidente da liga, e Nilton Machado, do Avaí, será o vice.

Tavares destacou que a Liga Sul-Minas-Rio, mais do que organizar um campeonato que almeja ser rentável, serve também como embrião para uma liga de alcance nacional. "Acho que é um passo gigantesco. Temos a pretensão e acredito que outros clubes do futebol brasileiro estejam pensando da mesma forma. É assim no mundo onde o futebol deu certo como Espanha, Itália, Inglaterra e Alemanha".

COPA SUL-MINAS-RIO - Para ser viabilizada, a competição usará no mínimo sete datas no primeiro semestre do próximo ano. Segundo os dirigentes, a Copa não atrapalharia o andamento dos Estaduais. O torneio seria disputado por Internacional, Grêmio, Figueirense, Criciúma, Atlético Paranaense, Coritiba, Atlético Mineiro, Cruzeiro - os clubes dos estados signatários mais bem ranqueados na CBF -, além de Flamengo e Fluminense.

A nova diretoria agora parte em busca de um executivo para gerir a liga, organizar o campeonato e negociar patrocínios e
transmissão.