Após um jogo “terrível”, como Ney Franco classificou, o próprio treinador assumiu a responsabilidade por mais um vexame celeste, desta vez para o Sampaio Corrêa, na noite desta quinta-feira (8), no Mineirão, pela 14° rodada da Série B do Brasileiro. “Tenho que bater no peito, assumir quando a equipe não joga bem, como foi em Cuiabá e hoje também”, disse o comandante. Mas, e quanto às soluções?

Durante sua entrevista coletiva, após a derrota por 2 a 1, o treinador ressaltou que, sob sua tutela, a Raposa fez apenas uma partida consistente, os 3 a 0 para cima da Ponte Preta. Mas que, nas outras cinco partidas, incluindo quatro reveses e o triunfo sobre o Vitória, a coisa foi bem diferente.

"Tivemos lampejos nos demais jogos. Mas hoje (contra o Sampaio), nem lampejos tivemos. Não tem como justificar. A derrota, tudo bem! Mas não da forma como perdemos, em que tivemos vários erros. Uma equipe sem força ofensiva e que defensivamente foi exposta", comentou.

Utilizando um velho discurso, ele acredita que no domingo (11), diante do Oeste, às 16h, na Arena Barueri, o Cruzeiro vai obter a tão sonhada arrancada na competição. 

"Temos elenco de qualidade para realizar uma Série B melhor do que a que estamos fazendo. Para conseguir resultados positivos, é preciso jogar no nível com que jogamos contra a Ponte Preta. Vimos qualidade técnica aliada ao comportamento em campo. Referência positiva para o campeonato. E hoje tivemos uma referência negativa. Se jogarmos como hoje, estamos fadados ao insucesso", afirmou.

Cruzeiro