Apresentado nesta terça-feira (22) como novo treinador do América, Vagner Mancini explicou, logo de cara, o porquê de ter aceitado o convite: “O 'sim' da minha parte foi muito baseado naquilo que acompanho do clube nos últimos anos e pelo seu projeto ambicioso, mas com os pés no chão. Eu quis fazer parte desse projeto e estou muito satisfeito por ter vindo”.

Além disso, ele ressaltou como será a postura do time daqui para frente. O objetivo imediato é fazer uma campanha de recuperação no Campeonato Brasileiro - a equipe é a penúltima colocada, com um ponto.

"Vou tentar dar ao América a cara do Mancini, de um time agressivo. Mas não que seja só de ataque ou que só se defenda. É agressividade para se tomar bola, se marcar, buscar o gol. Uma equipe que seja equilibrada, que saiba muito bem contra quem está jogando, quando tem que ter superioridade no ataque e na defesa”, destacou.

Reforços

Indagado se o Coelho vai necessitar de reforços para o restante da temporada, Mancini afirmou que há pretensão de se fazer contratações. 

"Já fizemos sim (pedido de reforços) e vamos intensificar isso. Mas, antes de mais nada, tenho que conhecer o elenco. O América, como qualquer equipe do Brasil, precisa de reforços. Não é sair contratando; é fazer no momento certo. Todos estamos ‘full time’ para melhorar o padrão técnico e tático do time e tudo que faz parte de gestão do clube", comentou.

Esta é a terceira passagem de Vagner Mancini por Minas Gerais. Em 2011 e 2012, ele comandou o Cruzeiro. E em 2019, o Atlético.

América