Nesta madrugada, os integrantes da Seleção Brasileira de judô embarcam para a Rússia, onde disputam no próximo final de semana o Grand Slam de Moscou, nos dias 20 e 21 de julho. A delegação brasileira será composta por 25 judocas, além dos técnicos Luiz Shinohara e Mario Tsutsui, da fisioterapeuta Priscila Marques Silva, da psicóloga Adriana Lacerda, dos preparadores físicos Josué Moraes Filho e Wagner Andrade Zaccani, do massoterapeuta Hans Strubreiter, da nutricionista Roberta Lima, e do estrategista Leonardo Mataruna.

“O Grand Slam é normalmente uma competição muito importante já que distribui uma boa pontuação por só haver quatro deles (Paris, Baku, Moscou e Tóquio). Mas o Moscou 2013 em especial se veste de um significado ainda maior por ser a última grande competição internacional antes do Mundial”, disse Ney Wilson, gestor de alto rendimento da Confederação Brasileira de Judô (CBJ). “Por esse motivo, os grandes atletas de cada categoria estarão dentro da disputa buscando aumentar sua pontuação e garantir seu lugar como cabeças de chave no Campeonato Mundial, que, por ser aqui no Brasil, aumenta nossa responsabilidade de corresponder às expectativas que temos, que é o motivo de estarmos levando todos os nossos atletas com chances de competirem no Mundial”, continuou.

Os atletas que vão competir do Grand Slam de Moscou são: Sarah Menezes (48 kg), Érika Miranda (52 kg), Eleudis Valentim (52 kg), Ketleyn Quadros (57 kg), Rafaela Silva (57 kg), Katherine Campos (63 kg), Mariana Silva (63 kg), Maria Portela (70 kg), Bárbara Timo (70 kg), Mayra Aguiar (78 kg), Maria Suelen Altheman (+78 kg), Rochele Nunes (+78 kg), Felipe Kitadai (60 kg), Eric Takabatake (60 kg), Luiz Revite (66 kg), Charles Chibana (66 kg), Bruno Mendonça (73 kg), Marcelo Contini (73 kg), Victor Penalber (81 kg), Mauro Moura (81 kg), Eduardo Bettoni (90 kg), Renan Nunes (100 kg), Luciano Corrêa (100 kg), Rafael Silva (+100 kg) e David Moura (+100 kg).

O Grand Slam de Moscou é o terceiro entre os quatro do calendário anual da Federação Internacional de Judô (FIJ), logo depois das edições em Paris (FRA) e Baku (AZE) e antes do torneio em Tóquio (JAP). Nos Slams, cada atleta campeão soma 500 pontos, os donos da segunda colocação faturam 300 pontos, e o judocas que completarem o pódio asseguram 200 pontos na conta.

“Estou bem confiante em relação ao resultado que posso alcançar nessa competição. Estou voltando bem da Universíade, onde, pelos meus resultados, ganhei bastante confiança de que o caminho para chegar cada vez mais perto do topo é difícil, mas não impossível. Sei que vai ser uma competição muito forte, mas me sinto preparada para mais essa”, declarou Rochele Nunes, que foi finalista de duas categorias na Universíade e foi campeã na pesada.

Em 2011, o Brasil ficou com duas medalhas de bronze no Grand Slam, conquistados por Mayra Aguiar (78 kg) e Hugo Pessanha (90 kg). Já na edição 2012 do Grand Slam disputado na capital russa, representada apenas por atletas do feminino, a Seleção Brasileira faturou quatro medalhas de ouro, com Sarah Menezes (48 kg), Érika Miranda (52 kg), Maria Portela (70 kg) e Maria Suelen Altheman (+78 kg), além de um bronze com Eleudis Valentim (52 kg).