Pelé segue "evoluindo bem" e sem a necessidade de retomar a hemodiálise, de acordo com novo boletim médico, divulgado na tarde desta segunda-feira (1º). Segundo o hospital Albert Einstein, o Rei do Futebol não apresentou "intercorrências clínicas" e continua internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para tentar curar uma infecção renal.

"(Ele) Continua estável do ponto de vista hemodinâmico e respiratório. Recebe os antibióticos por via endovenosa e não teve febre", registrou o boletim, indicando que os médicos não precisaram retomar o tratamento via hemodiálise.

O suporte renal, através da hemodiálise, consiste na utilização de um aparelho para filtrar o sangue do paciente, cuja recuperação vem evoluindo de forma gradativa desde a última sexta-feira. Antes disso, na quinta, um boletim médico chegou a confirmar que o ex-atleta de 74 anos de idade enfrentava um quadro de "instabilidade clínica".

O único rim de Pelé, que precisou tomar remédios mais fortes para tentar combater a bactéria que causou a infecção, começou a falhar devido ao sangue infectado. Mas o quadro melhorou no fim de semana. O ex-jogador reagiu bem ao tratamento com antibióticos e, no domingo, os médicos suspenderam a hemodiálise.

De acordo com o boletim, a infecção está controlada. "As culturas de sangue e urina permanecem negativas", informaram os médicos. Na manhã desta terça, eles farão nova avaliação clínica e laboratorial para verificar se Pelé precisará retomar o suporte renal.

Pelé está internado no hospital desde a segunda-feira da semana passada. Ele voltara ao local para fazer exames de rotina após ser submetido a cirurgia para remover pedras do rim. Os médicos, contudo, identificaram uma infecção renal e mantiveram o ex-atleta internado sem previsão de alta.