Sette Câmara

A rivalidade entre Atlético e Flamengo ganhou mais um capítulo “bem apimentado” na tarde deste domingo. Depois de o vice-presidente do Atlético criticar o clube carioca pela manobra na Justiça Comum na tentativa de adiar o jogo com o Palmeiras – pelo surto de Covid-19 no elenco flamenguista -, agora foi a vez do presidente alvinegro disparar contra o Rubro-Negro do Rio.

Em entrevista à Rádio Tupi, Sérgio Sette Câmara não poupou críticas ao Clube de Regatas Flamengo por suas atitudes recentes no futebol brasileiro.

“O Flamengo acha que é melhor que todo mundo, mas é apenas mais um clube que participa do Campeonato Brasileiro. Os 19 clubes estão alinhados. Se o Flamengo quiser, que faça o campeonato dele sozinho e fazemos o nosso. Não vai fazer falta nenhuma", disparou Sette Câmara.

A entrevista do mandatário alvinegro à rádio carioca foi ao ar por volta das 15h30 deste domingo, momentos antes de a Justiça derrubar a liminar que beneficiava o Flamengo, mas que havia sido deferida após pedido do Sindeclubes, o sindicato de funcionários de clubes do RJ, via Tribunal Regional do Trabalho, no Rio de Janeiro.

"O que existe é que temos 19 clubes alinhados com a CBF. A postura que vem alinhada pelo Flamengo não é de hoje, desde a situação da MP [984, dos direitos de transmissão dos mandantes] e que o Atletico acaba de tirar o apoio porque nao pode estar emparceirado com um clube que age dessa forma. Essa soberba não vai prevalecer", comentou o presidente atleticano, falando mais a respeito da situação.

"O Atlético está acompanhado de muitos outros clubes e da própria CBF no sentido de que essa medida judicial forjada pelo Flamengo, através desse sindicato presidido por um funcionário deles, para suspender o jogo com o Palmeiras, não tem o menor fundamento", continuou com as críticas.

Depois de tanta polêmica, Palmeiras e Flamengo acabaram entrando em campo na tarde deste domingo, em jogo da 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com um time extremamente modificado o Rubro-Negro carioca ainda empatou por 1 a 1 com os paulistas, no estádio Allianz Parque, em São Paulo. 

O caso

A partida entre Palmeiras e Flamengo havia sido adiada no último sábado, após decisão do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro (TRT-RJ), que acatou pedido do Sindicato dos Empregados em Clubes, Federações e Confederações Esportivas e Profissionais do Estado do Rio de Janeiro (Sindeclubes), em detrimento do surto de Covid-19 no elenco rubro-negro.

Mais de 40 pessoas entre atletas, membros de comissão técnica e funcionários do Flamengo estão infectados com coronavírius, desses 19 são jogadores.

Fora da Justiça Comum, mais propriamente na esfera esportiva, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) negou, também no último sábado, pedido do Flamengo para adiar a partida. E foi justamente por isso que o clube carioca acionou uma esfera jurídica que não a do esporte.

O Flamengo sempre alegou questões sanitárias para o adiamento da partida. Já o Palmeiras, contrário ao adiamento, emitiu até nota oficial assinada pelo presidente Maurício Galiotte, alegava que, caso o protocolo acordado pelos clubes antes do Brasileiro fosse descumprido, a competição teria que ser paralisada.