Contratado em abril para assumir o cargo de diretor de futebol no Atlético, Rui Costa termina o ano cercado de desconfiança por parte da torcida, mas com prestigio junto à diretoria.

A queda de rendimento do time no segundo semestre, aliado ao fracasso nas competições (Copa do Brasil, Copa Sul-Americana e Campeonato Brasileiro) e a contratações que até o momento não deram o retorno técnico esperado, fizeram com que o diretor fosse um dos principais alvos da cobrança dos atleticanos nos últimos meses.

Entretanto, apesar da pressão que vem das arquibancadas, o presidente Sérgio Sette Câmara demonstra total confiança no trabalho de Rui dentro do Galo.

Em entrevista à Rádio Itatiaia, na última quarta-feira (12), o mandatário elogiou o trabalho de Costa, citando demandas internas no dia a dia do clube.

“Acredito que nossos erros, principalmente os meus, que sou o presidente, e tudo que é feito tem o meu aval. Mais recentemente o Rui chegou ao clube em sete, oito meses. É um cargo melindroso, sempre tratando o dia a dia dos jogadores zelando pela disciplina, vendo questões de bicho, vendo uma questão ou outra de salário atrasado vigiando o dia a dia dos atletas evitando que haja um extracampo complicado e, acima de tudo, sendo bastante correto e honesto nas negociações. Em negociações de atletas, de contato, compra, venda”, afirmou Sette Câmara.

Futuro

Antes de Rui Costa, haviam exercido a função de diretor de futebol no Alvinegro, sob a gestão do atual presidente, Alexandre Gallo, que deixou o clube com menos de um ano no cargo e bastante contestado, e o ex-jogador Marques, que hoje trabalha como gerente de futebol do Galo.

Neste ano, chegaram ao Atlético sob a chancela de Rui Costa o lateral-esquerdo uruguaio Lucas Hernández, o volante paraguaio Ramón Martínez, o atacante argentino Franco Di Santo e o goleiro Wilson.

As chegadas dos dois primeiros são as mais questionadas pela torcida, principalmente pelo valor desembolsado para a contratações. Enquanto Hernández - que terminou o ano como terceira opção para o setor - custou R$12 milhões aos cofres alvinegros, Martínez teve os direitos adquiridos por cerca de R$8 milhões.

Costa também teve papel preponderante na efetivação do técnico Rodrigo Santana no comando do time, e na contratação do treinador Vagner Mancini, em outubro.

Mesmo sem o retorno técnico esperado nas contratações, Sette Câmara ratificou a permanência de Rui em 2020, e mostrou muita confiança no sucesso do diretor no Galo.

“Acredito que o Rui tem exercido muito bem seu papel e vai ser nosso diretor de futebol em 2020. O trabalho não pode ser avaliado em oito meses. O que está sendo feito no Galo sede a base, com muito carinho estamos construindo um Atlético melhor, não só para o presente, mas também para o futuro, estamos pensando no seu amanhã. Um clube que vai diminuir o seu endividamento, vai ter seu estádio, o que vai ajudar muito na saúde financeira do clube. Acho que estamos fazendo um trabalho correto e que nosso o diretor de futebol vai nos dar muita alegria no futuro”.

rui costa Atlético