Uma estreia com vitória para dar um cartão de visitas positivo ao torcedor atleticano. Assim foi a estreia de Jorge Sampaoli no comando do Atlético.

No triunfo por 3 a 1 sobre o Villa Nova, o argentino começou inovando já na escalação. No gol, promoveu a estreia de Rafael no lugar de Victor. No ataque, colocou junta a contestada dupla Ricardo Oliveira e Di Santo. E deu certo!

Logo no início do duelo em Nova Lima, o argentino aproveitou a assistência de Nathan e abriu o placar. Já no final, o venezuelano Savarino foi quem ampliou o marcador no Alçapão. Oliveira, por sua vez, teve grande chance de deixar o dele, mas acabou esbarrando no goleiro do alvirrubro, dono da casa.

 

Apesar de errar bastante nas tentativas de sair jogando de pé em pé no acanhado gramado do Castor Cifuentes, o alvinegro começou a mostrar sua nova cara. O Leão, que tentava chegar ao primeiro gol, não foi eficiente e se tornou presa sob controle para o Galo.

Correndo de um lado para o outro e bastante agitado, como de costume, Sampaoli seguiu assim até o apito final. Gesticulando bastante e cobrando seu estilo aos novos comandados. O “estilo Jorge” de ser foi bastante perceptível em Nova Lima e parece ter chegado para ficar.

No segundo tempo, o cenário era o mesmo, com Galo dominando a partida. E não demorou para ampliar com gol de Arana, após receber passe de Nathan, aos 11 minutos. O placar poderia ter sido ainda mais farto se Ricardo Oliveira tivesse convertido pênalti cometido por Vilar. O pastor segue em seu jejum interminável. O Villa chegou a diminuir, aos 25 minutos da etapa final, com gol de Zé Eduardo, mas a fatura já estava praticamente liquidada.

Apesar do “público zero”, após decisão da FMF - a entidade seguiu o padrão de outras por causa do Coronavírus -, Sampaoli volta para Belo Horizonte sabendo que deu ânimo novo à Massa.