SÃO PAULO - Com menos de um mês no ar, o site "Olha o Carinho da Torcida" já recebeu milhares de visitas. A maioria dos grandes clubes brasileiros, além de jogadores e dirigentes, já têm perfis no Facebook, Twitter e Instagram. Em busca de audiência e reconhecimento, muitos deles fazem publicações diárias nessas redes sociais, mas nem sempre agradam os próprios torcedores.

Atento a essa revolta de parte das torcidas, o jornalista Rafael Techima criou um site, onde reúne comentários raivosos dos amantes do futebol. A página já foi visitada por mais de 100 mil usuários e ganhou uma versão dentro do Facebook, que já conta com quase 4.000 fãs.

"Criei a página em uma quarta-feira e no dia seguinte já comecei a receber dezenas de comentários e sugestões. No domingo daquela semana, fiz o perfil no Facebook e, em três dias, ela alcançou quase 2.000 curtidas", disse Techima.

Os comentários dos torcedores revelam insatisfação com jogadores, treinadores e diretorias dos clubes mais populares do país. No Facebook, o Goiás lembrou que "o uso de laser e sinalizadores prejudica o clube". Logo depois, um torcedor comentou que o meia Hugo também é prejudicial.

Na rede social do Palmeiras, a diretoria publicou uma foto da visita do mágico Issao Iamamura, e o primeiro comentário foi de um fã que pediu uma mágica: "fazer o futebol do Juninho aparecer".

A ideia partiu da observação de Rafael. A inspiração veio do Vasco que, em má fase no Campeonato Brasileiro, recebe comentários negativos em quase todas as publicações em redes sociais. Mas Rafael conta que todos os times têm uma "turma do amendoim".
"Além do Vasco, Palmeiras, Flamengo e Corinthians também fazem muito sucesso. Outro clube com muito torcedor bravo é o São Paulo. Apesar de ser são-paulino, não poupo meu time do coração, que também está no site", afirmou o jornalista.

Para criar o "Olha o Carinho da Torcida", Rafael não gastou nada - ele usou o tumblr, ferramenta gratuita de publicação on-line. Por enquanto, ele ainda não recebeu propostas de anúncios publicitários, mas está otimista com o sucesso repentino da página. "Acho que vai ter gente interessada em fazer parcerias, sim. O problema é se alguém se sentir ofendido e resolver me processar", disse Techima, aos risos.