Desde o início, fevereiro se mostrava um mês decisivo para as ambições do Atlético na temporada, pois marca o início das competições mata-mata do ano atleticano e, logo na primeira partida, foi derrubado um balde de água fria – ou choque de realidade – no torcedor alvinegro. A impactante derrota (3 a o) diante do Unión Santa Fé, na Argentina, pode ter sido crucial no planejamento da comissão técnica para os próximos jogos.

Neste domingo (9), o Galo viaja até Patos de Minas para encarar a URT, às 18h, no Zama Maciel. E se o técnico Rafael Dudamel tinha em mente poupar boa parte dos titulares já pensando no jogo da próxima quarta-feira, contra o Campinense, pela Copa do Brasil, o resultado negativo diante dos argentinos pode colocar uma pulga atrás da orelha do venezuelano.

Dudamel

Sem vencer há três partidas, o trabalho de jogadores, diretoria e comissão técnica já começa a ser questionado, e mais um revés pode minar ainda mais a confiança do Atlético antes do duelo decisivo na Paraíba.

Outro ponto que pode pesar é o encaixe da equipe, que está longe de ser o ideal. Até domingo, Dudamel terá que resolver o dilema entre segurar os principais jogadores por conta da parte física ou apostar em mais um “treino de luxo” para acertar o time, já que o baixo número de compromissos oficiais é uma das reclamações do novo treinador alvinegro.

REFORÇO?

Sem receber nenhuma proposta que agradasse a diretoria atleticana, o meia Cazares permanece no clube ao menos até o meio do ano. Mesmo reintegrado ao grupo na última semana, o equatoriano não viajou para a Argentina. Agora, já pensando no Campinense e no jogo de volta contra o Santa Fé, fica a expectativa de quando será sua estreia em 2020, já que um dos pontos mais carentes do atual elenco é a criatividade, onde se destaca o camisa 10 do Galo.

* Sob supervisão de Alexandre Simões