O Supremo Tribunal Federal (STF) negou nesta quinta-feira (25) um recurso do São Paulo para que não fossem anuladas as eleições presidenciais do clube desde 2004. A equipe do Morumbi tentou recorrer de uma ação impetrada por um grupo de conselheiros contra um ato na época que possibilitou a alteração do estatuto. Anos mais tarde, em 2011, essa mudança permitiu a Juvenal Juvêncio concorrer pela segunda vez à reeleição.

Com a decisão do STF, o São Paulo pode ter anuladas todas as eleições realizadas desde então, que levaram ao cargo Juvenal Juvêncio, depois Carlos Miguel Aidar e, por fim, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, em outubro do ano passado. O argumento dos conselheiros é que a mudança estatutária só poderia ter sido realizada em assembleia com a presença de associados.

O departamento jurídico do São Paulo ainda não se pronunciou sobre o caso. Os advogados do clube analisam a situação para estudarem quais procedimentos podem ser tomados para dar validade aos mandatos dos três presidentes empossados depois da primeira alteração no estatuto do clube, em 2004, ainda durante a gestão de Marcelo Portugal Gouvêa.