A Superliga Feminina de vôlei foi cancelada e, consequentemente, não terá um campeão. A decisão foi tomada em função da paralisação causada pelo coronavírus, após uma reunião realizada nesta quinta-feira (19). A entidade se reuniu com os clubes participantes da competição por meio de videoconferência.

Votaram pelo fim desta edição Dentil/Praia Clube, Sesc-RJ, Osasco Audax São Cristóvão Saúde, São Paulo/Barueri, Curitiba, Fluminense e a Comissão de Atletas. Propuseram aguardar uma nova definição Itambé/Minas e Sesi Vôlei Bauru.

“Mais uma vez colocamos nossa opinião, pelo fim do campeonato, visando ao bem de todos os envolvidos, e demos direito de voto aos clubes. A maioria demonstrou pensar como a CBV, e está decretado o fim desta temporada”, disse o superintendente de competições quadra da CBV, Renato D´Avila.

“Sentimos muito por ver a Superliga Banco do Brasil terminar desta forma, mas sabemos que é absolutamente necessário”, completou.

Até agora, houve três reuniões, que resultaram no fim das edições da Superliga Feminina, da Superliga B Feminina e da Superliga B Masculina.

A última das quatro reuniões virtuais será realizada ainda nesta quinta-feira, com os clubes participantes da Superliga Masculina.

Voleibol