Poucas horas após ser suspenso por quatro anos por envolvimento em casos de doping, o técnico norte-americano Alberto Salazar foi excluído nesta terça-feira (1) do Mundial de Atletismo, que está sendo disputado em Doha, no Catar. Salazar se tornou famoso por treinar astros da modalidade como o britânico Mo Farah, campeão olímpico e mundial nos 5.000 e 10.000 metros.

Salazar, que nasceu em Cuba, foi suspenso por quatro anos por supostamente estimular o doping em seus atletas. Ele foi punido pela Agência Antidoping dos Estados Unidos (USADA) ao fim de uma investigação que durou ao menos seis anos. A sanção aplicada ao treinador foi anunciada na noite de segunda. Na manhã desta terça, a IAAF confirmou que cassou sua credencial no Mundial.

A investigação a Salazar se tornou pública em 2015, divulgada pela BBC e pela agência ProPublica. Eles revelaram detalhes da apuração da USADA, que apontou que o treinador usava testosterona em gel e infusões de um suplemento chamado L-carnitina que, misturada com insulina, aumentaria a performance dos atletas.

O endocrinologista Jeffrey Brown, que trabalha com Salazar, também foi suspenso. Ambos foram punidos sob acusação de portar e traficar testosterona enquanto treinavam corredores do Nike Oregon Project (NOP), nos Estados Unidos. No momento, o grupo conta com sete atletas que estão competindo em Doha. As punições não atingem os esportistas.

Uma delas é a holandesa Sifan Hassan, que venceu a prova dos 10.000 metros no sábado à noite no Catar. E vai disputar também os 1.500m. Já os norte-americanos Donavan Brazier e Clayton Murphy estão inscritos para disputar a prova dos 800 metros, ainda nesta terça-feira. Os demais atletas são o etíope Yomif Kejelcha, a alemã Konstanze Klosterhalfen e os americanos Jessica Hull e Craig Engels.

Em comunicado, Salazar se disse chocado pela decisão da USADA e prometeu recorrer. Ele afirmou que ao longo de seis anos de investigação "suportou injusto, antiético e altamente prejudicial tratamento por parte da USADA". "O Projeto Oregon nunca permitiu e nem vai permitir doping", declarou o treinador.

Sifan Hassan, por sua vez, afirmou que estava ciente das investigações da entidade e que "sempre teve a consciência tranquila, sabendo que estávamos sendo monitorados da forma mais completa pela USADA". "Estou muito triste pelo timing da USADA, o que acaba desequilibrando a minha performance no campeonato."

De acordo com a entidade que investiga os casos de doping nos EUA, foram ouvidas 30 testemunhas na investigação de Salazar, incluindo a atleta Kara Goucher e o ex-treinador do projeto Steve Magness. Ambos já deixaram o projeto.

O mais famoso integrante do grupo era Mo Farah, que participou do projeto durante o período em que dominou as provas de 5.000m e 10.000m em nível mundial. Quando a investigação vazou, a federação de atletismo da Inglaterra fez sua própria apuração do caso e liberou Farah para seguir no grupo. O corredor britânico deixou de trabalhar com Salazar em 2017, alegando que queria voltar a treinar em seu país. Nesta terça, ele divulgou comunicado em que diz ter "tolerância zero com qualquer pessoa que quebra as regras".

Leia mais

Seleção masculina de vôlei arrasa Canadá em estreia na Copa do Mundo

Técnica da Ferroviária é primeira mulher a conquistar Brasileirão