O técnico da Venezuela, Rafael Dudamel, vibrou na madrugada desta quarta-feira, (19) com o empate por 0 a 0 conquistado diante da seleção brasileira, na Fonte Nova, em Salvador, pela Copa América. O ex-goleiro definiu o resultado como histórico e elogiou a atuação do juiz Julio Bascuñán por ter decidido anular dois gols brasileiros no segundo tempo após consulta ao árbitro de vídeo (VAR).

Curiosamente, na estreia na Copa América, a Venezuela teve roteiro parecido. O time segurou o empate sem gols contra o Peru, em Porto Alegre, também com dois gols anulados com auxílio do árbitro de vídeo. "Que viva o VAR! Seja bem-vindo o VAR ao futebol. Contra o Brasil e Peru nós fomos beneficiados, mas isso não quer dizer que fomos presenteados. É preciso ter cuidado com essa palavra. Temos de confiar que há justiça", comentou Dudamel.

No caso do jogo com o Brasil houve ainda um terceiro gol anulado, de Firmino, no primeiro tempo. "Eu fiquei encantado com a autoridade que os árbitros tiveram. Independentemente do time, foram justos e tomaram as decisões corretas", afirmou o treinador.

Em 25 confrontos com o Brasil, a Venezuela tem 21 derrotas, uma vitória conquistada em um amistoso em 2008 e, agora, três empates. Curiosamente, a igualdade anterior também foi pelo placar de 0 a 0 e veio em 2009, em jogo pelas Eliminatórias. Devido ao grande desequilíbrio histórico, Dudamel exaltou o jogo de terça-feira. "É um jogo histórico para nós. Sabíamos que teríamos um rival de alto nível, muito difícil. Mas quase alcançamos a perfeição tática na partida", elogiou.

Dudamel ressaltou estar orgulhoso dos jogadores e manifestou confiança na classificação para a próxima fase. O time depende só de uma vitória para se garantir nas quartas de final. Em toda a história da Copa América, a Venezuela só passou de fase duas vezes e tem com melhor campanha o quarto lugar obtido em 2011, na Argentina. Na última rodada da fase de grupos, sábado, a equipe enfrentará a Bolívia no Mineirão.