Exatamente uma semana depois de iniciar a pré-temporada, o técnico Levir Culpi deu indícios de como pretende montar o Atlético neste início de ano. Duas das cinco contratações do Galo já chegam na titularidade: Réver e Igor Rabello farão a dupla de zaga. Quem pode ir neste vácuo por ganho de posição são dois reservas. 

Na linha defensiva, Patric venceu Guga para substituir o desfalcado Emerso - Seleção Sub-20 - e é o volante Zé Welison que tem grande capacidade de criar dúvida na cabeça do treinador. Ao menos é o que indicou o treinamento ontem na Cidade do Galo, de cunho tático. 

Welison briga diretamente por Adilson para fechar o meio de campo defensivo com Elias, que treinou ontem na formação inicial de seis jogadores (Fábio Santos e Ricardo Oliveira completaram o time dos jogadores citados acima).

O ex-jogador do Vitória, que acertou contrato definitivo com o Atlético por cinco anos, até 2023, sobreviveu à virada do ano - algo que Matheus Galdezani, da mesma função, não conseguiu, por termos contratuais, também. Zé, por outro lado, precisa superar o tempo perdido por conta de uma lesão no ano passado ainda no início de outubro - só voltou a jogar na última rodada. Contusão que tirou Adilson de combate por um bom tempo e o devolveu aos gramados sem a mesma qualidade do primeiro semestre.

O resto da equipe parece incontestável, ainda que novas peças possam fazer boas sombras aos titulares. Levir terá até o dia 20, data da estreia no Mineiro (diante do Boa) para decidir quem começará jogando no Galo. Elias está com o Inter na cola, mas fica no time por enquanto, Cazares terminou 2018 voando e tende a ser intocável, Chará, maior contratação da história do Atlético, é esperado fazer valer o alto investimento. Ricardo Oliveira mantém a confiança e ganhará Rafael Papagaio como concorrente após o Sul-Americano sub-20, a terminar em fevereiro. 

Nesta competição também estará o lateral Emerson, titular do lado direito da defesa. Se o Brasil for finalista do Sul-Americano, então o camisa 14 só voltará em 11 de fevereiro, as vésperas do duelo decisivo contra o Danubio pela segunda fase da Copa Libertaodores 2019. Guga ainda mantém possibilidades de ser o substituto, mas pela confiança de Levir, Patric deu um passo à frente.

"Os jogadores não estão há muito tempo aqui, de repente é o menino do junior que rende melhor. Essa parte que vai incomodar um pouquinho. O elenco fica inchado por necessidade, por Libertadores, regionais. Então há pouca margem de erro, se o jogador não for bem em um, dois, três jogos, já vou trocando, é assim que funciona. São 20 dias, espaço curto para mudar elenco modificado, mas consegue identificar bem quem a gente acha interessante", havia dito Levir.