Fazendo brilhante campanha no Campeonato Mineiro, interrompido desde 15 de março devido à pandemia pelo novo coronavírus, dois clubes do interior enxergam no retorno da competição uma forma de evitar com que parte do R$ 1 milhão vindo da cota da TV tenha que ser devolvida, caso ela seja encerrada antes do previsto.

Vice-líder da primeira fase, com 20 pontos, um a menos que o América, o Tombense usará o Estadual para se preparar para a disputa da Série C do Campeonato Brasileiro. Segundo Lane Gaviole, presidente do clube, os jogadores estão, inclusive, prontos para retornarem às atividades.

“Sobre o Mineiro, a gente tem que cumprir as obrigações, recebemos pelo campeonato e é importante terminar a competição. O Tombense está crescendo e, ao contrário dos clubes do interior, estamos prontos para voltar, com toda condição para terminar o campeonato. O Tombense é favorável a entregar o que recebemos, precisamos cumprir o que já recebemos”, reforçou, em entrevista à Rádio Itatiaia.

Já no caso da Caldense, a situação é um pouco pior. A Veterana paralisou as atividades em 20 de março, sendo que os jogadores tinham contrato até 26 de abril, data original para o término do Campeonato Mineiro. Faltando dois jogos para o encerramento da primeira fase, o time ocupa a quarta colocação, com 17 pontos, e tem o Cruzeiro logo atrás, com três a menos.

Como a competição ainda não tem data de retorno, o clube optou por não fazer as renovações. Atualmente, está tudo parado e não existe projeto para retomar os treinos.

Contudo, caso a bola volte mesmo a rolar no Estadual, o alviverde de Poços de Caldas acionará empresários parceiros, que trabalham com cerca de 15 atletas que defenderam o Periquito, para recontratá-los. O restante do grupo também será procurado pela diretoria.