Titular absoluto de Dudamel até o momento, o volante Jair está confiante de que o 2020 do Atlético será melhor do que o ano que se passou. Entrevistado nesta terça-feira (28), na Cidade do Galo, ele falou sobre a evolução da equipe, que ainda vive regime de pré-temporada.

"O professor Dudamel cobra bastante intensidade na marcação. Essa é a marca que ele pediu desde que chegou. Que seja um time que marque forte e que tenha a bola", destacou o volante, xodó do torcedor atleticano.

Questionado sobre o termo "Jairdependência", criado em 2019, o jogador destacou que, de fato, conta com a qualidade dos companheiros de equipe para não ser a única válvula de escape durante as competições que o clube terá nos próximos 11 meses.

"Tem quem chegou e quem está aqui também. Estamos jogando com três homens de meio de campo. Não estamos no ritmo que o Dudamel quer, mas na base da conversa, com os treinamentos e com a sequência de jogos, tudo tende a melhorar", comentou Jair.

"Ano passado estava jogando mais de primeiro volante. Aquele camisa 5 que saia jogando. Estou mais adiantado. Conversei com o Dudamel e ele pediu que eu trabalhasse mais esta função, entre as linhas. Temos que treinar ao máximo e pegar uma boa sequência de jogos para chegar bem no primeiro jogo da Sul-Americana", acrescentou.

Sobre a falta de um camisa 10, já que Cazares negocia a saída do alvinegro, Jair dá a sua opinião. Para ele, o futebol moderno não é tão carente assim da clássica função.

"O futebol moderno exige que o jogador do meio marque e ataque. Eu e o Allan estamos tentando fazer. Não precisa ter aquele 10, o meia clássico", finalizou.