A possibilidade do inédito rebaixamento do Cruzeiro para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro vem repercutindo nos outros clubes da Série A.

Fazendo referência ao famoso seriado: “Todo mundo odeia o Chris”, que fez sucesso na televisão brasileira na década passada, o momento crítico da Raposa gera apreensão não só em Minas, mas também no restante do país.

Seja dentro de campo, nos bastidores, nas arquibancadas ou nas redes sociais, o certo é que muitos adversários da Raposa no torneio ou demonstram claramente o interesse em ver a queda da equipe celeste, ou não fazem qualquer menção em facilitar a caminhada do time comandado pelo técnico Adilson Batista.

Cruzeiro x Vasco

Bastidores

Na derrota por 1 a 0 para o Vasco, nessa segunda-feira (2), em São Januário uma situação inusitada uniu os principais times do Rio.

O triunfo do cruzmaltino, além de afundar o Cruzeiro na zona de rebaixamento, eliminou qualquer risco de queda dos rivais regionais Fluminense e Botafogo, além de salvar os próprios donos da cada do descenso. 

Já campeão brasileiro, o Flamengo acompanhou de camarote a partida, e, de quebra, viu as até então improváveis manifestações de vários de seus torcedores em prol de uma vitória do Vasco, que colocaria a Raposa mais perto da Série B.

Após o jogo, o presidente do Vasco, Alexandre Campelo, afirmou em entrevista coletiva que torcia para que o clube celeste fosse rebaixado em função das declarações recentes de Zezé Perrella, atual gestor de futebol da Raposa, que teriam incomodado os vascaínos.

Sacramentada a vitória do Vasco, a comemoração da torcida do cruzmaltino foi efusiva, semelhante à de uma vitória em um clássico. Gritos de “O Cruzeiro vai jogar a Série B” ecoavam a plenos pulmões no estádio.

Comandante do Vasco, Vanderlei Luxemburgo ainda afirmou que negou que tenha recebido mala branca no duelo, mas que pediu premiação dobrada para o presidente do clube em caso de vitória na partida. Com história vitoriosa na Toca da Raposa II, Luxa ainda disse que não tem nada a ver com a situação delicada do Cruzeiro e bradou: “Que lutem”.

Avaí e CSA

Em meio à luta para se salvar do rebaixamento, dois resultados doem em especial dentro do Cruzeiro. O empate contra o Avaí e a derrota para o CSA em pleno Mineirão certamente não estavam nos planos da Raposa.

Mesmo com poucas chances de se salvarem à época do duelo com o time estrelado, as duas equipes tiveram atuações superiores ao que o momento de ambos na competição previa, o que levantou a hipótese de que os dois clubes receberam um incentivo a mais dos adversários do clube celeste contra o descenso, caracterizando a famosa mala branca.

O enstusiasmo dos jogadores e da comissão técnica do Avaí após o apito final, no dia em que rebaixamento dos catarinenses foi sacramentado, levantou ainda mais essa suspeita na Toca II.

A opção de Argel, então técnico do CSA, que havia acertado sua transferência para o Ceará – outro postulante ao Z-4 – de deixar o time alagoano apenas após a partida contra o Cruzeiro, também é outro fator que corrobora a teoria da mala branca.

Rede sociais

Restando duas rodadas para o término do Brasileirão, o que se vê nas redes sociais é uma campanha intitulada “#EntregaCorinthians”, que faz referência ao duelo entre o Timão e o Ceará - único rival da Raposa contra a queda – que ocorre nesta quarta-feira (4), às 19h30, no estádio Castelão, em Fortaleza.

Caso o Ceará some mais pontos que o Cruzeiro (que enfrenta o Grêmio no dia seguinte) nesta rodada, o time celeste estará rebaixado com uma rodada de antecedência.

Entrega Corinthians

O curioso é que essa corrente foi abraçada não só pelos concorrentes do Cruzeiro, mas também pelos próprios corintianos, que lembram da derrota na final da Copa do Brasil do ano passado para justificar a torcida por uma derrota para o Vozão.

Com 36 pontos, na 17ª colocação, o Cruzeiro seca o Ceará que tem dois pontos a mais na classificação, e joga a sua sobrevivência na elite do futebol brasileiro contra Grêmio e Palmeiras, adversário do próximo domingo, às 16h, no Mineirão.