Um jogo diferente foi disputado neste domingo (26), no Independência. Conhecido antigamente como “Clássico das Multidões”, quando tinham as maiores torcidas de Minas Gerais, o embate entre América x Atlético foi recheado de curiosidades.

Seguindo protocolos de segurança devido à pandemia do novo coronavírus, a partida válida pela décima rodada do Campeonato Mineiro teve número limitado de pessoas nas delegações, além de poucos jornalistas in loco – todos com os devidos testes para Covid-19 realizados.

Leia mais:
Com nova cara dada ao time, Sampaoli vê atletas em evolução e destaca superioridade do América
Lisca destaca força do Atlético e vibra com resposta do América: 'O campo empinou no segundo tempo'
 

Ao invés de sentarem nos bancos de reservas da Arena do Horto, atletas de Coelho e Galo ficaram nas cadeiras que, em outrora, seriam ocupadas por torcedores. No placar do estádio, alguns sócios do América, mandante do jogo, foram exibidos durante o tempo de bola rolando; eles acompanharam a transmissão de casa.

Onde fica localizada normalmente a “Barra Una”, uma das organizadas do alviverde, o mascote do alviverde marcou presença. Com uma churrasqueira e bastante água mineral, o Coelhão fez a festa, sozinho, e chamou a atenção durante a exibição do duelo.

atleticana

Para dar um ambiente mais familiar, caixas de sons espalhadas pela Arena Independência a todo instante emplacava o som de “Coelho! Coelho!”.

Infelizmente, esta será a tônica do futebol no Brasil, principalmente nos próximos meses. Enquanto houver disseminação do vírus, continuaremos observando “fatos novos” nos Estádios. Na quarta-feira (29), por exemplo, o Atlético utilizará ‘bonecos’ dos torcedores nas cadeiras do Mineirão, no duelo contra a Patrocinense. A ver.

coelhão