A permanência do meia Paulo Henrique Ganso está cada vez mais complicada no Santos. Isto porque, além do protesto contra o jogador, chamando-o de mercenário e atirando moedas em sua direção, após a derrota para o Bahia, por 3 a 1, na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, torcedores estenderam as manifestações até o CT Rei Pelé. No local onde costumam ficar os carros dos atletas, o camisa 10, mais uma vez, foi alvo da ira dos torcedores.

A presença de torcedores, que voltaram a chamá-lo de mercenário, na porta do CT deixou Ganso chateado. Além disso, o muro do local foi pichado, com a seguinte frase: "Fora Ganso". A mensagem foi colocada em diferentes pontos do CT Rei Pelé.

A reportagem da Gazeta Esportiva.Net apurou que a situação deixou o atleta bastante preocupado, tanto que foi preciso um reforço na sua segurança, para que ele deixasse o local sem maiores problemas. Cinco seguranças fizeram a escolta do "maestro" santista, na sua saída do CT. No entanto, não houve agressões por parte dos torcedores.

Com mais esse protesto, Paulo Henrique Ganso se sente desamparado pela diretoria santista. Temeroso pela sua segurança, o meia acredita que a nota oficial lançada pelo Alvinegro Praiano, em seu site oficial, na última sexta, criticando a sua declaração de que "seria um prazer jogar no São Paulo", equipe que tentou contratá-lo, e as palavras do presidente Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro, dizendo que esse assunto "já havia enchido o saco", contribuíram para as manifestações da torcida.

Tanto que, na saída do gramado da Vila, depois da derrota para o Tricolor de Aço, Ganso deixou no ar uma possível manipulação para aumentar o clima de pressão sobre ele no clube.

"Sou um dos salários mais baixos da equipe e a torcida está gritando que eu sou mercenário. Se bem que se você prestar a atenção, foi só uma parte da torcida que gritou isso. Como eu falei, essa não é a primeira vez que estou passando por isso. Eu tenho que manter a cabeça tranquila porque é até difícil falar a verdade. É triste ouvir isso (ofensas da torcida), porque sempre me dediquei ao extremo pelo clube, fiz muitos gols e ganhei muitos títulos pelo Santos", disse o camisa 10.

Solidário ao jogador, o técnico Muricy Ramalho, vendo os protestos da torcida, ainda reuniu o time inteiro no gramado da Vila Belmiro, após o apito final da partida, para que todos saíssem juntos, evitando manifestações contra Paulo Henrique Ganso. A medida, porém, não foi eficaz e uma "chuva de moedas" foi direcionada ao meia.

Nos vestiários, o treinador defendeu Ganso e destacou que "não vai virar as costas" para o atleta. O atacante Neymar, grande amigo do meio-campista no elenco, também se posicionou a favor do jogador e cobrou uma definição do imbróglio, por parte da diretoria.