Na mesma semana de disputas do GP da Inglaterra, marcado para este domingo, a organização da Fórmula 1 anunciou nesta quarta-feira que Silverstone acertou acordo para continuar no calendário da categoria pelo menos até 2024. O contrato anterior vence nesta edição da prova inglesa, mas foi selado um novo compromisso de cinco anos para a tradicional pista britânica seguido abrigando a corrida por mais tempo.

Por meio de nota publicada em seu site oficial, a F-1 confirmou que o novo contrato foi fechado na última terça-feira (9), em Londres, e o mesmo foi comemorado pelo chefão da categoria, Chase Carey, em uma entrevista coletiva nesta quarta que também contou com a presença de Stuart Pringle, diretor de Silverstone, e John Grant, presidente do Clube dos Pilotos de Corrida Britânicos (BRDC, na sigla em inglês).

"É um prazer confirmar que o GP da Inglaterra segue no calendário da Fórmula 1 pelo menos nos próximos cinco anos, com o evento seguindo em sua casa de longa data, o circuito de Silverstone", afirmou Carey, que na reunião de terça-feira representou o grupo Liberty Media, que hoje é o controlador da categoria máxima do automobilismo.

"Sempre dissemos que, para ter um futuro de longo prazo, nosso esporte precisa preservar palcos históricos. Silverstone e GP da Inglaterra representam o berço do esporte, com o ponto de partida em 1950. Hoje, a Fórmula 1 é uma esporte global, realizado nos cinco continentes, assistido por um público de mais de 500 milhões de fãs em todo o mundo e nosso objetivo é aumentar esse número trazendo o esporte que amamos para novos países, enquanto também mantemos suas raízes: Silverstone e o GP da Inglaterra são parte integrante dessa visão", reforçou Carey.

John Grant também celebrou o novo compromisso firmado com a Fórmula 1. "Silverstone é um dos GPs mais icônicos no calendário da F-1, e com uma história tão rica, seria um desastre para o esporte e os fãs se a gente não encontrasse um jeito de seguir em frente (com a continuidade da prova inglesa no tradicional circuito)", afirmou.

O dirigente britânico também lembrou da tradição de Silverstone, que foi palco da primeira corrida da história da Fórmula 1, há 69 anos, ao exaltar a importância da permanência desta pista no calendário. "2020 será o 70º aniversário da primeira corrida do Mundial, em 13 de maio de 1950, e isso vai tornar o evento do próximo ano ainda mais especial. Isso é uma grande notícia para o BRDC, para Silverstone e para a F-1, assim como para milhões de fãs britânicos", completou Grant.

Stuart Pringle, por sua vez, destacou o peso que esta corrida tem para a categoria. "O Grande Prêmio da Grã-Bretanha em Silverstone é justamente reconhecido como um dos destaques do campeonato de F-1 e do calendário esportivo britânico anual", afirmou o diretor do circuito inglês.

"Isso é graças a nossa pista ser um dos maiores circuitos de pilotos do mundo, mas também a enorme paixão pelo automobilismo que existe nos fãs leais e conhecedores que temos neste país. A perspectiva de não sediar um Grande Prêmio em Silverstone teria sido devastadora para todos no esporte e eu estou muito contente por estarmos aqui hoje, às vésperas do que é um evento fantástico, fazendo este anúncio positivo sobre o futuro", reforçou.

O primeiro treino livre do GP da Inglaterra será nesta sexta-feira, às 6 horas (de Brasília), enquanto a sessão classificatória para o grid da prova começa às 10h de sábado. A largada da corrida de domingo está marcada para ocorrer às 10h10.

Leia mais:
Após vitória, chefe da Red Bull diz que Verstappen é o melhor piloto do grid
Fim de semana de vitórias internacionais para o automobilismo de Minas
Sergio Sette Câmara comemora 1º triunfo na F2 em 2019: 'Início de uma escalada'